Visitantes

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Qual é a diferença entre protestantes e evangélicos?

Os dois nomes referem-se aos cristãos que romperam com a Igreja Católica durante a Reforma Protestante. O termo protestante vem do documento formal de protesto - Protestatio - que os luteranos apresentaram em uma assembléia em 1529, manifestando a sua oposição à política religiosa adotada pela Igreja Católica.

        Já o nome evangélico vem do fiel que se submete ao ensinamento contido nas "boas-novas" (evangelium, em latim) trazidas por Jesus. Os protestantes se declaravam seguidores do Evangelho - um dos seus princípios durante a Reforma era o da Sola Scriptura ("Só a Escritura", em latim). Isso significava que, para os protestantes, apenas a Bíblia era fonte de revelação suprema, e que não deveria ser permitido à Igreja fazer doutrinas fora dela. Todos esses movimentos estimulavam o fim do monopólio da Igreja sobre a interpretação da Bíblia e reivindicavam que todo e qualquer cristão pudesse ler as Escrituras e tirar delas o que quisesse. Os protestantes recusavam a idéia de que um único líder - o papa - deveria guiar os rumos da religião. Sem um "chefe", cada grupo começou a se fragmentar em diversas correntes, com pequenas divergências doutrinárias. Abaixo você confere a diferença entre os principais ramos do cristianismo.




Divergências entre cristãos deram origem a várias denominações religiosas


CRISTIANISMO

Jesus
 pregava que a mensagem de Deus destinase a toda a humanidade, e não apenas ao povo eleito como diziam os judeus. A comunhão de bens, a partilha do pão e o batismo eram alguns dos ensinamentos de Jesus aos seus apóstolos e seguidores, que formavam uma pequena comunidade perto de Jerusalém

IGREJA CATÓLICA

Após a morte e ressurreição de Cristo, seus apóstolos começam a organizar uma religião, com hierarquia e regras. A crença básica da Igreja primitiva era uma só: Jesus é o Senhor, e a salvação dependia da fé n'Ele

GRANDE CISMA

A Igreja Católica cresceu e tornou-se religião oficial do Império Romano, que se dividiu em Ocidental e Oriental. O papa romano e o patriarca de Constantinopla passaram a disputar poder, gerando o cisma

IGREJA ORTODOXA

A denominação "Igreja Ortodoxa" só surge no século 11. Os ortodoxos só admitem ícones como representações de Cristo e de santos. Eles crêem que o Espírito Santo só procede do Pai, e não do Pai e do Filho como os católicos

REFORMA PROTESTANTE - 1517

Martinho Lutero publicou "95 Teses" criticando a condução do cristianismo, como a venda de um lugar no paraíso (as indulgências). John Wyclif, Jan Huss e João Calvino também queriam uma Igreja mais "racional

LUTERANOS

Uma das novidades introduzidas por Martinho Lutero é a possibilidade de livre interpretação da Bíblia - no catolicismo de então, o Livro era em latim e só os padres poderiam "traduzir" o que significavam os versículos das Escrituras

ANGLICANOS - 1534

A religião surgiu por causa do rei Henrique VIII, que queria se divorciar, o que não era permitido pelo papa. Ele nomeou-se "Chefe Supremo da Igreja da Inglaterra" e rompeu com os católicos de Roma

BATISTAS

Só os cristãos adultos, já conscientes de seus atos, podem ser batizados,mas o ato não é obrigatório para a salvação. Para os batistas, o crente deve escolher por sua própria consciência servir a Deus

METODISTAS

John Wesley deixou a Igreja Anglicana para pregar nas ruas da Inglaterra e fez vários discípulos, que criaram uma nova denominação. Na doutrina metodista, a Bíblia está no centro das fontes de conhecimento teológico

CALVINISTA

João Calvino queria uma religião com maior observância à Bíblia e princípios morais mais rígidos. Uma das doutrinas do calvinismo é a da predestinação: alguns humanos já nascem salvos, enquanto outros não

PENTECOSTALISMO

Surgiram nos EUA movimentos com influência de batistas e metodistas. Eles aceitavam manifestações do Espírito Santo, como a capacidade de curar doentes, de fazer milagres e de falarlínguas

NEOPENTECOSTALISMO

Diferem dos pentecostais pelos costumes mais liberais e por adotarem a teologia da prosperidade, que valoriza a riqueza material. Também crêem que o Diabo é o responsável por tudo de mal

ANABATISTA

Só adultos são batizados. Os anabatistas eram conhecidos como a "ala radical" da Reforma Protestante. Pacifistas, eles se recusam a portar armas, usar espadas ou até mesmo prestar serviço militar

AMISH

Grupo cristão baseado nos Estados Unidos e Canadá famoso pelo isolamento. Os amish evitam contato com o mundo exterior: é proibido o uso de equipamentos eletrônicos como telefones e automóveis e pratica-se o casamento intra-religioso

TESTEMUNHAS DE JEOVÁ

Não crêem na divindade de Jesus Cristo e nem na Santíssima Trindade. Afirmam adorar exclusivamente a Jeová (Deus). Entre alguns dos pontos polêmicos defendidos por eles, está a proibição da transfusão de sangue entre os fiéis

RESTAURACIONISMO

Os teólogos divergem quanto à classificação de testemunhas, adventistas e mórmons. Alguns afirmam que vieram da insatisfação de protestantes de várias correntes,que queriam "restaurar" o cristianismo original nos EUA

MÓRMONS

Conhecida como Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias - o nome "mórmon" vem de um profeta. O batismo é feito em uma fonte especial, sobre 12 bois, que representam as 12 tribos de Israel

ADVENTISTAS

Os adventistas pregam o retorno de Jesus Cristo. Alguns crêem no sono da alma entre a morte e a ressurreição, e outros fazem a guarda do sábado, dia em que não podem trabalhar. Evitam carne e narcóticos



Por: Marina Motomura



o dos acontecimentos, eu falo: “L foto de Por Traz da Midia Mundial.
#Gabriel Lessa
TEORIA DA CONSPIRAÇÃO - REDUÇÃO DE 60% DA POPULAÇÃO MUNDIAL
Todos os governos do mundo estão se preparando para um evento que ninguém faz a mínima ideia do que seja. São bunkers de milhões de dólares construídos da Noruega, Instalações do FEMA se espalhando por todo EUA, imensas bases militares com abrigos subterrâneos sendo edificados na China, entre outros governos que parecem estar assustados com alguma coisa que está por vir em breve. A suspeita recai sobre o cálculo da Dinâmica dos Sistemas. Em 1990 os cientistas já haviam chegado a conclusão que o planeta não suportaria mais do 8,5 bilhões de habitantes sem entrar em colapso. O cálculo é feito considerando elementos essenciais para sobrevivência do ser humano, como área disponível para o plantio e emissão de poluentes por habitante/ano. O planeta aguentaria cerca de 10,2 bilhões de habitantes se, apenas se, todos os humanos fossem vegetarianos. Mesmo assim, estaria em uma zona critica, de possível guerra entre os povos para adquirir recursos. A projeção é que a Terra atinja esse nível em 2050. A única maneira de o planeta suportar o estilo de vida atual (ou seja, os ricos consumindo e os pobres… você sabe…) é a Terra ter menos de 8,5 bilhões de habitantes. E esse patamar vai ser atingido segundo a projeção antes de 2020. Logo, um controle populacional se torna necessário. E como isso seria feito? Essa é a dúvida. Nesse ultimo ano atingimos os 7 bilhões de habitantes. Para a medida de controle venha atingir a população antes do colapso é importante que ela seja aplicada antes da população chegue a 8 bilhões, para caso ela falhe, exista a possibilidade da aplicação do plano B. Ou seja, vai ser aplicada logo. Recentemente, um grupo de pesquisadores conseguiram um vírus da gripe muito mais potente que o H1N1. Segundo eles, esse vírus seria capaz de infectar 6 a cada 10 habitantes da Terra. Agora pense: 6 a cada 10… eles querem reduzir a população para 40%….é interessante como os fatos se encaixam. Os EUA quer proibir que a Science e a Nature publiquem os resultados dos trabalho dos pesquisadores. Contudo, alguns dos teóricos da conspiração mais famosos já perceberam a jogada. É tudo muito simples: eu vou contra a publicação do trabalho, depois, libero o vírus e esse se espalha pelo planeta. Quando apontarem para mim, como culpado dos acontecimentos, eu falo: “Lembra que eu fui contra a publicação do trabalho? Como poderia ser eu?”
#Gabriel Lessa
TEORIA DA CONSPIRAÇÃO - REDUÇÃO DE 60% DA POPULAÇÃO MUNDIAL
Todos os governos do mundo estão se preparando para um evento que ninguém faz a mínima ideia do que seja. São bunkers de milhões de dólares construídos da Noruega, Instalações do FEMA se espalhando por todo EUA, imensas bases militares com abrigos subterrâneos sendo edificados na China, entre outros governos que parecem estar assustados com alguma coisa que está por vir em breve. A suspeita recai sobre o cálculo da Dinâmica dos Sistemas. Em 1990 os cientistas já haviam chegado a conclusão que o planeta não suportaria mais do 8,5 bilhões de habitantes sem entrar em colapso. O cálculo é feito considerando elementos essenciais para sobrevivência do ser humano, como área disponível para o plantio e emissão de poluentes por habitante/ano. O planeta aguentaria cerca de 10,2 bilhões de habitantes se, apenas se, todos os humanos fossem vegetarianos. Mesmo assim, estaria em uma zona critica, de possível guerra entre os povos para adquirir recursos. A projeção é que a Terra atinja esse nível em 2050. A única maneira de o planeta suportar o estilo de vida atual (ou seja, os ricos consumindo e os pobres… você sabe…) é a Terra ter menos de 8,5 bilhões de habitantes. E esse patamar vai ser atingido segundo a projeção antes de 2020. Logo, um controle populacional se torna necessário. E como isso seria feito? Essa é a dúvida. Nesse ultimo ano atingimos os 7 bilhões de habitantes. Para a medida de controle venha atingir a população antes do colapso é importante que ela seja aplicada antes da população chegue a 8 bilhões, para caso ela falhe, exista a possibilidade da aplicação do plano B. Ou seja, vai ser aplicada logo. Recentemente, um grupo de pesquisadores conseguiram um vírus da gripe muito mais potente que o H1N1. Segundo eles, esse vírus seria capaz de infectar 6 a cada 10 habitantes da Terra. Agora pense: 6 a cada 10… eles querem reduzir a população para 40%….é interessante como os fatos se encaixam. Os EUA quer proibir que a Science e a Nature publiquem os resultados dos trabalho dos pesquisadores. Contudo, alguns dos teóricos da conspiração mais famosos já perceberam a jogada. É tudo muito simples: eu vou contra a publicação do trabalho, depois, libero o vírus e esse se espalha pelo planeta. Quando apontarem para mim, como culpado dos acontecimentos, eu falo: “Lembra que eu fui contra a publicação do trabalho? Como poderia ser eu?”

Inauguração da Avenida Guararapes no bairro de Santo Antônio.

"Projetada pelos engenheiros José Estelita e Domingos Ferreira e o arquiteto Nestor de Figueiredo, a Avenida foi considerada por décadas o cartão postal do Recife. Suas primeiras edificações foram o edifício do Cinema Trianon e dos Correios."

Foto de 1952.
Inauguração da Avenida Guararapes no bairro de Santo Antônio.

"Projetada pelos engenheiros José Estelita e Domingos Ferreira e o arquiteto Nestor de Figueiredo, a Avenida foi considerada por décadas o cartão postal do Recife. Suas primeiras edificações foram o edifício do Cinema Trianon e dos Correios."

Foto de 1952.
Curtir ·  · 

Seitas do Novo Testamento

Na época de
Jesus
 havia alguns movimentos relevantes e heréticos. Eles lutaram contra o recém criado Cristianismo, mas no fim foram derrotados pelas defesas dos primeiros apologistas...





Publicanos

Era uma classe imposta aos judeus pelos dominadores romanos com a missão de lhes coletarem os impostos. Funcionários romanos, eram odiados e escorraçados. Muitos judeus se tornaram publicanos devido à rentabilidade daprofissão: o chefe dos publicanos, em Roma, impunha uma taxa e distribuía aos seus subordinados que, por sua vez, quadruplicavam e repassavam as taxas, e assim sucessivamente.



Escribas

Existiram no Antigo Testamento, porém no Novo Testamento aparecem formando uma classe religiosa. Quando voltaram da Babilônia, Esdras e Neemias tornaram-se grandes escribas (Esdras 7.6; Neemias 8.1-4). Quando apareceram os fariseus e saduceus, os escribas ficaram com os primeiros.Nos dias de Jesus, eram chamados de “doutores da lei”. Os escribas que se ocupavam do ensino eram conhecidos como rabi ou rabinos.



Zelotes

Descendem de Judas de Gâmala, que incitou os judeus a uma revolta contra Roma, no ano seis. Eram chamados zelotes pelo zelo excessivo da lei de Moisés, o que faziam à custa de espada. Tinham também o nome de sicários, nome que deriva de sica, arma romana que usavam em defesa da lei mosaica.



Herodianos

Formavam um partido mais político do que religioso. Uma espécie de fraternidade em honra a Herodes, o Grande, iniciada com a morte dele. Pregavam incondicional fidelidade a Herodes quanto ao pagamento dos tributos. Julgavam que a Lei de Moisés podia ser violada para se construir templos de idolatria aos romanos e seus imperadores – uma espécie de mistura de judaísmo com romanismo pagão. Eram aliados aos fariseus em oposição a Jesus.



Essênios

Depois dos fariseus, os essênios eram os mais numerosos entre os judeus. Eram separatistas e formavam uma verdadeira congregação distinta do judaísmo, como de outras seitas existentes. Em doutrinas eram parecidos com os fariseus e odiavam os saduceus.






Fariseus

Vem de parushim, literalmente “separados”. Observavam rigidamente os preceitos da lei de Moisés, tanto oral como escrita. Nos dias de Jesus, gozavam de grande prestígio entre o povo. Eram considerados grandes mestres e homens piedosos. No seu zelo fanático pela lei das purificações e as regras que a tradição (mishnah) lhes acrescentara, evitavam todo contato com os “pecadores”, pessoas que, segundo eles, violavam a “lei”. Jesus exprobrou os pecados dessa seita e responsabilizou-a por muitos crimes, injustiças e hipocrisias nos seus dias. Eles acreditavam na ressurreição e na imortalidade da alma.


Samaritanos

Era a classe mais odiada pelos judeus. Sargão, rei da Assíria, levou cativos os judeus do norte e, para Samaria, levou povo estrangeiro. Esse povo era idólatra. Nos tempos de Jesus aumentou o conflito, tendo-se em vista a construção de um templo rival no Monte Gerizim. De tal maneira se acentuaram as rivalidades entre eles que os judeus consideravam os samaritanos como cães.



Saduceus

A seita dos saduceus era pequena, porém muito conceituada, pois os membros que a integravam eram ricos e influentes. Eram mais políticos do que religiosos e tinham bastante conceito entre os romanos. Eram os céticos, os materialistas, os livres pensadores dos dias de Jesus. Não acreditavam na ressurreição, na imortalidade da alma, nos anjos, na providência divina; rejeitavam a tradição oral e interpretavam a lei e os profetas diferentemente dos outros.




Dificilmente algum membro destes grupos abriam o coração ao evangelho de Jesus. A grande maioria dos primeiros convertidos que formaram a igreja cristã primitiva, veio do meio do povo simples que não pertencia a nenhuma destas seitas.

"Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes; "
1 Coríntios 1:27

Créditos: www.cacp.org.br


Como saber se uma igreja é bíblica ou um negócio?

Alguns dias atrás, um amigo foi fazer um orçamento para a reforma de um local em São Paulo. Esse local seria uma nova igreja, e a dona do local, que estava abrindo esta igreja disse a ele claramente que estava iniciando um novo negócio. Infelizmente, o fato de muitas igrejas no Brasil serem mal intencionadas tem feito com que muitas pessoas tenham aversão a igrejas, e consequentemente aversão ao evangelho. Talvez por isso o número de pessoas que se consideram cristãos sem igreja cresçam tanto.


Porém gostaria de dizer que nem todas as igrejas são iguais. Nem todo líder que se intitula cristão tem interesses escusos. Pelo contrário, há muitos homens e mulheres que estão gastando suas vidas em prol de fazer o bem àqueles que os rodeiam.

Essa semana estive na Cristolândia aqui em São Paulo levando um homem que é viciado em crack para que eles o encaminhassem para a reabilitação. A Cristolândia é uma missão batista que cuida dos viciados em crack em São Paulo, tirando-os das ruas, dando café, banho, e levando aqueles que desejam abandonar o vício para suas casas de recuperação, transformando essas vidas e apresentando o único caminho que é 
Jesus
. Esse é um exemplo de igreja que de fato cumpre o IDE do Senhor.

Porém algumas não fazem nada para transformar vidas, antes preferem vender bençãos. Daí surge aquela frase: “pequenas igrejas, grandes negócios”. Como saber se uma igreja é bíblica ou é um negócio?





  •  Se o pastor gasta mais tempo no culto pedindo dinheiro do que orando ou lendo as escrituras, é um negócio.
  •  Se a igreja está lotada, mas não há interesse em discipulado, se não há cuidado individual, mas apenas o tratamento com a multidão, não é bíblica.
  •  Se o pastor não tem profundo conhecimento bíblico, e não faz sermões expondo a Bíblia, mas é apenas um contador de “causos” ou de testemunhos, não é bíblica.
  •  Se o enfoque for no “Eu posso, decreto, determino” não é bíblica.
  •  Se a igreja vende bênçãos, vende prosperidade, vende unção, vende tudo aquilo que é espiritual, é pior que um negócio, pois para mim não tem nada diferente de estelionato.
  •  Se a pregação não for “tome a sua cruz e siga a Jesus“, definitivamente é um negócio.

Se você deseja entrar em uma igreja como um cliente, procure um negócio. Então lá você pode comprar benção financeira por R$ 900,00. Você pode determinar coisas dando 20% do seu salário.

Se você deseja a salvação de sua alma e um profundo relacionamento com Deus, procure uma igreja bíblica. Nela você poderá crescer em santidade, ter intimidade com Deus e ser instrumento nas mãos dEle para abençoar outras pessoas. Não há possibilidade de crescer como cristão sem estar na comunhão dos irmãos, por isso não fique sem congregar em uma comunidade bíblica.

Sinceramente, não frequente negócios. Para isso, leia a bíblia, e frequente igrejas bíblicas. Evite multidões. Busque um relacionamento profundo e sincero com Jesus e não com o apóstolo fulano de tal ou bispo ou missionário.

Que Deus tenha misericórdia de nossas vidas!


Autor: Daniel Simoncelos
Site: http://colunas.gospelmais.com.br

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Assembleia de Deus e a divisão em Pernambuco (continuação)

A Assembleia de Deus no Brasil é uma denominação dividida em vários ministérios, convenções e igrejas independentes. Essas divisões geralmente são fruto de disputas de poder eclesiástico, e causam rivalidades acentuadas. Um dessas rivalidades ministeriais mais conhecidas é a de Pernambuco, onde os ministérios da AD em Recife e Abreu e Lima encontram-se em agudo desentendimento há alguns anos. Mas como esses ministérios chegaram a esse antagonismo? 

Como vimos em outra postagem, a igreja em Abreu e Lima, até teve em seu passado momentos de autonomia, mas essa autonomia foi rechaçada pelo ministério do Recife. Nos anos 50, após crises sucessórias, assume a liderança da AD no Recife e no estado de Pernambuco o pastor José Amaro da Silva. Homem humilde, mas dotado de sabedoria e autoridade, manteve a união das igrejas e consolidou o ministério pernambucano em sua gestão.

Porém, pastor Amaro da Silva sofre de um mal súbito e falece em 1977. Sua morte causa extrema comoção na igreja, e conturbação na sucessão ministerial. Ao contrário da aclamação em torno do nome do pastor Amaro para presidir a igreja no Recife, desta vez houve uma polarização entre dois pastores e seus seguidores. Um grupo apoiava o pastor José Leôncio da Silva, e outro grupo o pastor Issac Martins Rodrigues. Ao término da disputa, José Leôncio vence a votação e assume a igreja no Recife. Issac Martins Rodrigues resolve fazer uma "divisão branca" e reivindica autonomia para a CGADB. 

Criou-se assim o "Ministério" de Abreu e Lima, nomenclatura utilizada pela CGADB para nomear as divisões entre as igrejas em determinada região. Era uma maneira de atenuar o racha na denominação, sem contudo afrontar a igreja principal de alguma região. O reconhecimento do novo ministério foi aprovado em 1981 por decisão da mesa diretora da CGADB.

Logo da convenção de Abreu e Lima: expansão por todo o estado
No começo, as relações entre as ADs em Recife e Abreu e Lima era cordiais, até porque o ministério liderado pelo pastor Issac se expandiu principalmente para região da zona da mata norte, antes da região de Goiana. Havia respeito e uma espécie da acordo tácito na questão da jurisdição eclesiástica, e ninguém invadia o campo de trabalho alheio.

A cordialidade foi desfeita justamente com a renovação das lideranças. José Leôncio é sucedido em outubro de 1998 por seu genro pastor Ailton José Alves. Menos de dois anos depois, em fevereiro de 2000, o então Ministério de Abreu e Lima, funda a Convenção de Ministros da Assembleia de Deus em Abreu e Lima (COMADALPE). Em 2004, é a vez de Abreu e Lima renovar sua liderança. Pastor Issac é sucedido pelo jovem pastor Roberto Santos. É a partir dessas mudanças, que se instalou definitivamente o clima de rivalidade entre os dois ministérios.

Atualmente, as igrejas abrem trabalhos na jurisdição eclesiástica da outra. Recentemente a AD em Recife inaugurou em belo e moderno templo em Abreu e Lima. Algo impensável há alguns anos atrás. Utilizam também cores diferentes nas fachadas de seus templos para se identificarem (verde para Abreu e Lima e azul para Recife), mas ironicamente estão unidas a CGADB. Isso se deve aos malabarismos do atual presidente da CGADB para se manter no poder, pois os dois líderes de Pernambuco lhe apoiam nas eleições da convenção nacional.

O caso de Pernambuco é típico das ADs nesses últimos anos, onde as disputas se acirraram em nível nacional e regional. Essas controvérsias afetam até o relacionamento dos membros, pois nessas regiões os membros de ministérios rivais não se cumprimentam ou saúdam nas ruas. Parece que o Salmo 133 é letra morta. Tanto para os líderes como para os membros.

Fontes:

ANDRADE, Moisés Germano de. "Uma história social" da Assembleia de Deus: a conversão religiosa como forma de ressocializar pessoas oriundas da criminalidade. Dissertação (Mestrado) - Universidade católica de Pernambuco. Pró-reitoria Acadêmica. Curso de Mestrado em Ciências da religião, 2010.

FRESTON, Paul. Breve História do Pentecostalismo. In: ANTONIAZZI, Alberto. Nem anjos nem demônios; interpretações sociológicas do pentecostalismo. Petrópolis: Vozes, 1994.

SANTOS, Roberto José. (Org.). Assembleia de Deus em Abreu e Lima - 80 Anos: síntese histórica. Abreu e Lima: FLAMAR, 2008.

10 marcas de uma igreja apóstata

O adjetivo apóstata vem do termo apostasia. Esse termo foi utilizado por Paulo para se referir ao último estagio da separação do homem do Espírito Santo. Segundo o apóstolo, primeiro o homem entristece o Espírito Santo com ações pecaminosas, se o mesmo não se arrepender, ela será "abandonado' pelo Espírito Santo. 

Se a partir daí o homem blasfemar do Espírito Santo, a bíblia diz que para o tal não há perdão, pois é o Espírito Santo que convense o homem do pecado, da justiça e do juizo. Se não há convencimento da culpa, não há arrependimento, se não tem arrependimento, não há perdão. Esse é o estagio de apostasia. Uma igreja apostata é uma igreja sem a presença e perdão de Deus, não por falta de oferta de perdão, mas por falta de arrependimento. 

As dez marcas de uma igreja apóstata


1 – Concorda com a palavra, mas não segue a palavra; (Mateus 13:14)

De sorte que neles se cumpre a profecia de Isaías: Ouvireis com os ouvidos e de nenhum modo entendereis; vereis com os olhos e de nenhum modo percebereis. 


2 – Dizem amém, mas desviam-se no caminho; (Ezequiel 33:31)

Eles vêm a ti, como o povo costuma vir, e se assentam diante de ti como meu povo, e ouvem as tuas palavras, mas não as põem por obra; pois, com a boca, professam muito amor, mas o coração só ambiciona lucro


3 – Sacrificam, mas não obedece; (I Samuel 15:22)

Porém Samuel disse: Tem, porventura, o SENHOR tanto prazer em holocaustos e sacrifícios quanto em que se obedeça à sua palavra? Eis que o obedecer é melhor do que o sacrificar, e o atender, melhor do que a gordura de carneiros. 


4 – Divertem-se e comercializam no culto, mas não se arrependem no coração; (Mateus 21:12)

Tendo 
Jesus
 entrado no templo, expulsou todos os que ali vendiam e compravam; também derribou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas. 



5 – Limpam o exterior, mas nunca o interior; (Mateus 23:25)

Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque limpais o exterior do copo e do prato, mas estes, por dentro, estão cheios de rapina e intemperança! 


6 – Rasgam as vestes, mas não o coração; (Joel 2:13)

Rasgai o vosso coração, e não as vossas vestes, e convertei-vos ao SENHOR, vosso Deus, porque ele é misericordioso, e compassivo, e tardio em irar-se, e grande em benignidade, e se arrepende do mal. 


7 – São parceiros do mundo, e inimigos de Deus; (Tiago 4:4)

Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus. 


8 – São politicamente corretos, e profeticamente decadentes; (Apocalipse 3:16)

Assim, porque és morno e nem és quente nem frio, estou a ponto de vomitar-te da minha boca; 


9 – Falam e cantam sobre Deus, mas vivem alienados Dele; (Ezequiel 33:32)

Eis que tu és para eles como quem canta canções de amor, que tem voz suave e tange bem; porque ouvem as tuas palavras, mas não as põem por obra. 


10 – Batem no peito e declaram que são ricos e fartos, enquanto que, Deus os chama de desgraçado, miserável, pobre, cego e nu; (Apocalipse 3:17)

pois dizes: Estou rico e abastado e não preciso de coisa alguma, e nem sabes que tu és infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu.

Qual a ligação entre os santos católicos e os orixás?

Cada um dos 16 orixás - as entidades cultuadas no candomblé e na umbanda - corresponde a um ou mais santos católicos. Dá para explicar essa ligação contando um pouco da história do período colonial no Brasil.  Veja como as cinco principais entidades do candomblé e da umbanda se relacionam com as católicas...
          


          Naquela época, chegaram ao país os primeiros africanos de origem iorubá, um povo que ocupava a região onde hoje ficam Nigéria, Benin e Togo. A religião dos iorubás era o candomblé, mas eles aportaram no Brasil como escravos e não podiam cultuar suas divindades livremente - você sabe, a religião oficial do país era (e é) o catolicismo. Por causa dessa proibição, os escravos começaram a associar suas divindades com os santos católicos para exercerem sua fé disfarçadamente. Como os santos católicos são bem numerosos, existem divindades que são identificadas com mais de um santo. Por exemplo: Oxóssi, o rei da caça, é associado a São Jorge e a São Sebastião. "Essa relação com um ou outro santo depende da região do país, variando de acordo com a popularidade do santo no local", diz o sociólogo Reginaldo Prandi, autor do livro Mitologia dos Orixás. Claro que a associação não é exata: ao contrário dos santos católicos, os orixás são entidades com virtudes e defeitos, e seus seguidores acreditam que eles conhecem o destino de cada um dos mortais. Bom, só faltou falar um pouquinho da relação dos orixás com a umbanda, uma religião genuinamente brasileira, surgida na década de 30 no Rio de Janeiro a partir da combinação de elementos do candomblé, do catolicismo e do espiritismo. Assim como o candomblé, a umbanda também cultua os orixás. Mas os umbandistas representam essas divindades com imagens diferentes, além de cultuarem outros três espíritos, o preto-velho, o caboclo e a pomba-gira. Nenhum deles aparece no candomblé. Veja como as cinco principais entidades do candomblé e da umbanda se relacionam com as católicas

__________________________



umbanda: Iemanjá 
catolicismo: Nossa Senhora da Conceição



Iemanjá é a deusa dos grandes rios, mares e oceanos. Na umbanda, ela é cultuada como mãe de muitos orixás e identificada com Nossa Senhora da Conceição — uma das manifestações católicas da Virgem Maria, mãe de 
Jesus
. No candomblé, ela é representada como uma negra e usa roupas africanas

_________________________


umbanda: Iansã
catolicismo: Santa Bárbara




Esposa de Xangô, a Iansã do candomblé e da umbanda é a deusa dos raios, dos ventos e das tempestades. Na doutrina católica, ela corresponde a Santa Bárbara — também uma protetora contra raios, tempestades e trovões

________________________

umbanda: Xangô
catolicismo: São Jerônimo e São João



Tanto para o candomblé quanto para a umbanda, Xangô é o deus do trovão e da justiça. Ele é associado a dois santos católicos: São Jerônimo, que no final do século 4 traduziu alguns livros da Bíblia do hebraico e do grego para o latim, ou São João, que pregava a conversão religiosa e batizou Jesus


_______________________

umbanda: Ogum
catolicismo: Santo Antônio e São Jorge



Para a umbanda e o candomblé, Ogum é o orixá da guerra, capaz de abrir caminhos na vida. Por isso, costuma ser identificado com Santo Antônio, o "santo casamenteiro", ou com São Jorge, santo guerreiro que é representado matando um dragão

____________________________


umbanda: Oxóssi
catolicismo: São Sebastião





Oxóssi, o rei da caça, é associado a São Jorge e a São Sebastião. 


_______________________


umbanda: Oxalá
catolicismo: Jesus



Na umbanda e no candomblé, Oxalá é a divindade que criou a humanidade — por isso, ele se equivale a Jesus, uma das manifestações do Deus triuno do catolicismo (pai, filho e espírito santo). Além de ter modelado os primeiros seres humanos, Oxalá também inventou o pilão para preparar inhame e é considerado o criador da cultura material




Read more:http://www.rochaferida.com/2012/04/qual-ligacao-entre-os-santos-catolicos.html#ixzz2UoxmXVk6