Visitantes

sábado, 26 de março de 2016

Teologia Pentecostal: O Destino Final dos Mortos

Teologia Pentecostal: O Destino Final dos Mortos: Por Gutierres Fernandes Siqueira Neste presente subsídio sobre a Lição 13 - O Destino Final dos Mortos escrevo especialmente sobre a d...

segunda-feira, 21 de março de 2016


12. Sejam Honestos – A História de Ananias e Safira

Related Media
“Temos um ao outro e isso é tudo o que importa”, gabava-se o casal de pombinhos logo após a cerimônia de casamento. Mas não ia demorar muito para eles descobrirem que não é bem assim. Nenhum marido e nenhuma esposa cristã podem viver isolados. Eles fazem parte de uma unidade maior chamada o Corpo de Cristo (Efésios 1:22-23), a família da fé (Gálatas 6:10), a família de Deus (Efésios 2:19). A família de Deus é muito maior do que qualquer unidade familiar individual e rapidamente aprendemos que nossa relação com essa família espiritual maior afeta a nossa relação como marido e mulher. Isso nunca foi tão óbvio quanto na história de Ananias e Safira.
Ananias e Safira viveram no período de maior pureza e poder da igreja. Por isso, vamos considerar, em primeiro lugar, a situação da igreja na emocionante era apostólica: “Da multidão dos que creram era um o coração e a alma. Ninguém considerava exclusivamente sua nem uma das coisas que possuía; tudo, porém, lhes era comum” (Atos 4:32). Isso é simplesmente impressionante. Àquela altura, o número de crentes provavelmente chegava a cinco mil ou mais e, mesmo assim, eles eram um só coração e uma só alma. Na Escritura, algumas vezes o coração é usado para se referir, em um sentido mais amplo, à parte não material do ser humano, incluindo tanto o coração quanto a alma. No entanto, diferente da alma, o coração, aqui, provavelmente se refira somente ao espírito, a faceta mais íntima da constituição humana, o centro do seu ser, ao qual Deus Se revela e no qual Ele habita. Aqueles primeiros cristãos sentiam um vínculo espiritual no nível mais profundo da sua vida. Seu espírito estava entrelaçado com a vida e o amor de Cristo. Eles sabiam que pertenciam uns aos outros como irmãos e irmãs em Cristo.
Mas a Escritura não para por aí e diz também que eles eram uma só alma, e isso é uma coisa totalmente diferente. A alma é a força consciente de um homem, sua personalidade, a qual consiste da mente, das emoções e da vontade. É nesse nível que o ser humano pensa, sente e faz escolhas. Essa é a área da experimentação. Aqueles primeiros cristãos não apenas eram um por causa da sua posição em Cristo, mas eram um também na prática. Eles pensavam do mesmo jeito, tinham profundo sentimento uns pelos outros e tomavam decisões que refletiam seu cuidado e preocupação mútuos. Eles não participavam do culto e depois iam pra casa, esquecendo-se dos irmãos e irmãs em Cristo. Uma vez que a congregação era tão grande, mesmo se reunindo no átrio do templo, eles também se reuniam nas casas, em unidades menores, para se conhecer, crescer em amor uns pelos outros e cuidar dos problemas e das necessidades uns dos outros (cf. Atos 2:46).
A preocupação mútua ia muito além daquilo que se referia às suas carteiras – era um cuidado real! Eles entendiam que todas as suas posses vinham de Deus, tendo sido dadas a eles não para seu uso exclusivo, mas para serem compartilhadas uns com os outros. Não havia qualquer tipo de coerção. Qualquer crente era livre para ficar com seus bens, se assim o desejasse, e ninguém o considerava inferior por causa disso. No entanto, a maioria vendia suas propriedades e dava o dinheiro aos apóstolos para ser distribuído àqueles que, provavelmente, tinham perdido o emprego devido à sua fé. Eles abriam mão do seu próprio bem-estar e das suas comodidades para o bem de todos. 
O resultado desse espírito desprendido foi grande bênção e poder sobre toda a igreja: “Com grande poder, os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graça” (Atos 4:33). Uma congregação onde há cuidado mútuo é uma congregação forte, pois a genuína expressão do amor de Deus é colocada em prática. Jesus disse que esse tipo de amor seria a marca dos verdadeiros discípulos (João 13:35), e onde ele está presente, atrai as pessoas como um oásis no deserto.
E atraiu um casal chamado Ananias e Safira. Eles faziam parte daquela poderosa e diligente comunidade de crentes. O nome Safira significa “bela” ou “agradável” e é o mesmo nome dado àquela pedra preciosa de cor azul-violeta. Ananias significa “Jeová é gracioso”, e Deus certamente foi gracioso para com ele. Ele lhe deu uma linda esposa, abençoou-o com bens materiais, perdoou-lhe os pecados e o levou à comunhão com pessoas que realmente se preocupavam com ele. Isso é muito mais que um homem pode desejar.
Ananias, no entanto, queria mais, e Safira também. Eles queriam mais aceitação; queriam aplausos. Eles não queriam ser apenas membros do Corpo; queriam ser membros ilustres do Corpo. Queriam o louvor dos homens. E isso nos leva ao nosso segundo ponto, ao pecado de Ananias e Safira. Crentes dedicados e altruístas muitas vezes são alvo da admiração e do apreço de outros cristãos. Se forem pessoas espirituais, não são motivadas pelo desejo de receber elogios e aplausos dos homens, mas às vezes os recebem. Na igreja primitiva, as pessoas que vendiam suas propriedades e davam o dinheiro à igreja provavelmente recebiam muitos elogios de toda a congregação. Barnabé foi um daqueles que sacrificou tudo (Atos 4:36-37). Ele não o fez para se exibir. Não havia vestígio de orgulho carnal naquilo que ele fez. Ele só pensou na necessidade dos outros cristãos e na glória de Deus. Mas o reconhecimento estava lá. Ananias e Safira viram isso e quiseram ter o mesmo, e foi aí que seus problemas começaram.
Cobiçar o louvor dos homens é evidência suficiente de que eles estavam agindo de acordo com sua natureza carnal, não no Espírito. Contudo, isso fica ainda mais evidente quando ficamos sabendo que eles depositavam sua esperança para o futuro na sua conta bancária, não no Senhor. Eles não conseguiram fazer o que os outros fizeram – dar todo o seu dinheiro para Deus e confiar somente na Sua fidelidade para suprir as suas necessidades. Eles tinham de ter aquele dinheiro. E estas duas expressões de carnalidade, o desejo de reconhecimento e a confiança em coisas materiais, se tornaram um grande dilema para eles. Como poderiam receber o tão almejado reconhecimento sem depositar todo o montante da venda no altar do sacrifício? Mas eles, finalmente, acharam uma solução. Trapaça!
“Entretanto, certo homem, chamado Ananias, com sua mulher Safira, vendeu uma propriedade, mas, em acordo com sua mulher, reteve parte do preço e, levando o restante, depositou-o aos pés dos apóstolos” (Atos 5:1-2). Eles bolaram um plano para reter para si uma parte do dinheiro recebido pela propriedade e levar o restante para os apóstolos. Eles não disseram, necessariamente, que estavam dando a quantia total recebida; simplesmente deixaram que todos presumissem isso. E pronto, o reconhecimento como crentes espirituais e abnegados que entregaram tudo a Jesus foi instantâneo! 
Mas o que havia de errado com seu plano? Eles não mentiram realmente pra ninguém, mentiram? Eles apenas deram o dinheiro e não disseram o quanto aquilo representava do total. Eles não tinham culpa pelo pensamento dos outros, tinham? É óbvio que tinham. Pedro, com incrível discernimento divino, atribuiu sua farsa a Satanás e disse que eles mentiram para o Espírito Santo (Atos 5:3). Ele lhes explicou que eles não tinham a obrigação de vender sua propriedade. E, mesmo depois de vendê-la, não tinham a obrigação de dar todo o dinheiro à igreja. Mas eles tinham a obrigação de serem honestos (Atos 5:4). O maior pecado de Ananias e Safira foi sua desonestidade, sua farsa, sua hipocrisia, seu fingimento, mostrando uma falsa imagem de si mesmos, implicando em maior espiritualidade do que realmente possuíam, deixando os outros pensarem o melhor sobre eles. Eles estavam mais interessados nasaparências do que na realidade. Pedro disse: “Não mentiste aos homens, mas a Deus” (Atos 5:4).
Alguma vez você já se perguntou como era o relacionamento entre Ananias e Safira? Embora tenham demonstrado uma incrível parceria em sua farsa, sua hipocrisia não podia deixar de afetar seu casamento. Quando as aparências são mais importantes para nós que a realidade, normalmente, as pessoas com quem convivemos sofrem por causa disso. Diante dos outros, escondemos a maioria das nossas atitudes carnais, mas, por detrás das quatro paredes da nossa casa, a nossa tendência é deixar à mostra todos os nossos defeitos – toda raiva, todo mau-humor, todas as grosserias e falta de respeito, todo egoísmo, todo orgulho, todo comportamento infantil. Por causa disso, muitos lares cristãos estão cheios de brigas e conflitos. No entanto, quando alguns cristãos preocupados, querendo nos ajudar, perguntam como estão indo as coisas, logo respondemos: “Vai tudo bem, está tudo ótimo. Nunca estivemos melhor”. E justificamos a nossa desonestidade dizendo a nós mesmos que o que acontece na nossa casa é problema nosso e não é da conta dos outros. Mas a desonestidade só aumenta o peso da culpa, a culpa leva a mais atitudes defensivas e irritabilidade, e a irritabilidade causa maior divergência e discórdia em nosso lar. Essa é uma das armadilhas prediletas de Satanás.
O desejo carnal de receber louvor e preeminência demonstrado por Ananias e Safira também pode afetar a relação matrimonial de uma outra forma. Ele faz com que cada parte passe a competir de forma egoística pela supremacia e queira mais para si mesmo do seu relacionamento. Cada um dá de si só para receber algo em troca e, geralmente, fica de olho no quanto recebe. Se achar que está em desvantagem, briga e reclama até conseguir o que pensa merecer. Ambos mantém um registro de quem dá mais, de quem recebe mais atenção, de quem é mais compreensivo, de quem tem mais falhas ou de qualquer outro ponto de discórdia. A necessidade de cada parceiro parecer melhor que o outro o faz mascarar sua verdadeira personalidade e, assim, entrincheirar-se ainda mais em sua miserável hipocrisia.
Precisamos ser honestos. Precisamos nos comprometer a ser absolutamente sinceros e transparentes. Esta é a única maneira de escapar dessa armadilha satânica. Quando admitimos nossos verdadeiros sentimentos e motivações para outra pessoa, quando reconhecemos realmente os nossos erros e quando lhe pedimos para orar por nós, isso nos dá coragem para pedir o poder de Deus para mudar. Sabemos que algum dia essa pessoa irá nos perguntar como estão indo as coisas e que teremos de lhe dizer a verdade. Vamos querer estar prontos quando esse dia chegar, pois com nosso crescimento sincero virá uma crescente preocupação com a glória de Deus e com o testemunho da igreja de Cristo. Portanto, vamos deixar o Espírito de Jesus Cristo operar em nós para nos tornar mais parecidos com Ele. Só assim seremos capazes de parar de jogar o jogo das aparências. Só assim seremos autênticos!
Pra começar, marido e mulher podem ser honestos um com o outro. Podem admitir ao parceiro o que se passa dentro deles e, então, se encorajar mutuamente e orar pelas fraquezas um do outro. Eles também precisam ser honestos para com Deus. Quando estão errados, mesmo que estejam cometendo os mesmos erros, eles precisam reconhecê-los abertamente diante do Senhor e parar de ficar se justificando. Só assim serão capazes de crescer espiritualmente. Ananias e Safira podem ter concordado em seu plano fraudulento, mas é óbvio que nunca admitiram sua pecaminosidade um para o outro, nem para Deus. Quando marido e mulher se tornam parceiros no fingimento, um dia isso os destruirá.
Vejamos, finalmente, a importância da disciplina aplicada a eles. Pedro não invocou o julgamento do céu, como algumas pessoas supõem. Ele simplesmente expôs a hipocrisia de Ananias pelo discernimento que lhe foi dado por Deus. “Ouvindo estas palavras, Ananias caiu e expirou” (Atos 5:5). Foi a disciplina da mão de Deus. “Levantando-se os moços, cobriram-lhe o corpo e, levando-o, o sepultaram” (Atos 5:6). Não sabemos como eles o sepultaram sem o conhecimento de Safira, mas, naquela época, os corpos tinham de ser enterrados logo e talvez eles não a tenham encontrado naquele momento. Ela pode ter saído para fazer compras, para gastar um pouco do dinheiro sonegado.
Três horas mais tarde, ela chegou procurando o marido, sem saber o que tinha acontecido. Pedro deu-lhe oportunidade para ser honesta. “Dize-me, vendestes por tanto aquela terra?”, perguntou ele, citando a quantia entregue por Ananias. Safira preferiu continuar mantendo a farsa iniciada pelo marido. Sem hesitar, ela respondeu: “Sim, por tanto” (Atos 5:8). E Pedro lhe disse que ela teria o mesmo destino sofrido por Ananias.
Ficamos amedrontados diante de uma ilustração tão extrema da disciplina divina. Até podemos ficar tentados a dizer que Deus foi severo demais. No entanto, por que Ele fez isso? Ele não parece agir assim hoje em dia. E como somos gratos por isso! Mas, naquela época, era diferente. Aquele era o início da igreja. Até aquele momento ainda não havia ocorrido nenhuma demonstração tão crassa de carnalidade e Deus abominou o dia em que ela se introduziu na igreja. Desde o princípio Ele queria que todos soubessem o quanto Ele odeia a hipocrisia, e que isso fosse conhecido em todas as épocas. Essa é a razão pela qual Ele colocou essa história em Sua Palavra.
Espiritualidade fingida é uma coisa contagiosa. Quando um cristão vê outro cristão agir dessa forma e se sair bem, não vê problemas em tentar também. E, para cada membro que age no poder da carne em vez de no poder Espírito, para cada um que vive para receber o louvor dos homens em vez de viver para a glória de Deus, a eficácia da igreja de Cristo vai diminuindo cada vez mais. Se Deus tivesse permitido a Ananias e Safira levar adiante a sua farsa, isso teria destruído o testemunho da igreja primitiva. Ele tinha de agir naquela hora.
Infelizmente, os anos têm diluído a pureza da igreja e, estando tão longe da singularidade da era apostólica, podemos achar difícil até mesmo reconhecer a nossa própria hipocrisia. Nós pensamos que hipocrisia é um esforço deliberado e calculado para enganar os outros, como foi com Ananias e Safira, e talvez façamos isso de forma inconsciente. Podemos simplesmente cair no hábito involuntário de proteger nossa aparência de santidade, encobrindo os nossos defeitos e escondendo das pessoas o que se passa dentro do nosso coração e do nosso lar. Geralmente isso é mais fácil do que nos entregarmos totalmente a Cristo, deixando-O viver em nós para fazer as mudanças que desejar. Esta forma de hipocrisia tem se tornado um estilo de vida na igreja de Jesus de nossos dias e talvez seja o motivo pelo qual não estejamos causando grande impacto em nossa sociedade incrédula.
Uma grande questão que paira sobre a nossa cabeça depois de termos descortinado a vida de Ananias e Safira é: o que é mais importante – manter a aparência de espiritualidade ou sermos realmente aquilo que Deus deseja de nós? Cultivar só a aparência conduz à morte – morte para o crescimento espiritual, morte para sermos úteis na família de Deus e morte para um relacionamento melhor entre marido e mulher. Por outro lado, o Espírito de Deus pode usar a sinceridade para produzir em nós a vida de Cristo, e isso significa vida abundante, alegria constante e bênçãos sem medida.

Vamos conversar sobre isso

  1. Como Ananias e Safira poderiam ter evitado a armadilha em que caíram?
  2. O que os cristãos, em geral, mais tendem a esconder um do outro?
  3. Existem assuntos nos quais você e seu cônjuge concordam, mas sabem que não são certos diante de Deus? O que Deus quer que vocês façam a respeito disso?
  4. Quais são as coisas mais prováveis que marido e mulher escondem um do outro?
  5. Quais são os riscos de marido e mulher serem transparentes um com o outro?
  6. Você é uma pessoa receptiva? Pergunte ao seu cônjuge se é fácil, ou não, ser sincero com você. Por quê?
  7. Existe algum indício de que um de vocês esteja procurando a supremacia no seu relacionamento (tipo “marcando pontos”)? Como você pode evitar essa tendência?
Tradução: Mariza Regina de Souza
Related Topics: Christian HomeFinanceMarriage

       



 

URGENTE: PF encontra recibos de móveis em nome de Lula e Marisa

Na busca e apreensão feita em imóveis do ex-presidente Lula a Polícia Federal localizou orçamento de móveis de marcenaria e recibos em nome do petista e de sua mulher, Marisa Letícia. Nos recibos, a marcenaria informa que os pagamentos se referem ao “apartamento 142″.


O apartamento que a força-tarefa sustenta que, na verdade, é de propriedade de Lula, é o número 142.


O orçamento de armários para a suíte, o quarto de hóspedes, a churrasqueira e outras áreas do imóvel, feito pela marcenaria Hoffleder, de São Paulo, em 2011, é de 51 640 reais.

No orçamento, o closet, de 19 650, está assim designado: “1 closet (Lula) conforme projeto”.



Os recibos, assinados pelo dono da marcenaria, Claudio Hoffelder, estão em nome de Lula e Marisa. 

Contatado pela reportagem, o dono da marcenaria, Claudio Hoffelder, disse que apenas fez um orçamento, que não foi efetivado. Bastante nervoso, questionado sobre as notas fiscais com sua assinatura referentes a pagamentos, disse que não sabe do que se trata. “Fizeram o orçamento mas não contrataram, porque outros acabaram fazendo de graça”, disse o proprietário da marcenaria.

sexta-feira, 18 de março de 2016

Moro, corajosamente, assume, fundamenta e defende seus atos

Dilma rebate Moro e diz: em outros países, "quem grampear presidente vai preso"

Por Jovem Pan
fonte: José Cruz/Agência Brasil
Dilma disse que indignação "não é por ser presidenta", mas em seguida destaca que só pode ter conversas gravadas com autorização do STF

"... Não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a futura" (Hb: 13-14). Porém, enquanto aqui estivermos, o Brasil é nossa Pátria. Desperta Brasil!

quinta-feira, 17 de março de 2016



     

O CRISTÃO E AS AUTORIDADES CONSTITUÍDAS

por Pr. Ibi Batista
Você já pensou sobre este assunto? Será que, como cristão, posso questionar ou mesmo confrontar autoridades constituídas? Tenho que me submeter sempre? Seria correta a interpretação, por parte de alguns, de que é  pecado se “levantar” contra qualquer autoridade (inclusive eclesiástica)? Hittler seria uma autoridade instituída por Deus?
Diante do momento que passamos, talvez seja importante fazer algumas considerações bíblicas a respeito de nossos relacionamentos com as autoridades. O Apóstolo Paulo escreve aos Romanos, no capítulo 13, um texto clássico que exemplifica muito bem o assunto. Gostaria de tecer alguns comentários sobre este texto e sobre nossa posição diante de tais situações.
Começo ressaltando a abordagem dada pela Bíblia quando o assunto se refere à autoridade instituída em relacionamento entre pastores e o povo de Deus.
Os textos que falam sobre o respeito devido às autoridades não são apócrifos. Muito ao contrário; afirmo que além de verdadeiros, são essenciais. Neles estão contidos propósitos importantes para a manutenção da ordem.
Sem autoridades em uma sociedade, sejam elas civis, militares ou religiosas, tudo se transformaria em anarquia. É inimaginável viver em comunidade sem o papel das autoridades – um caos.
No entanto, há de se observar que não podemos ter uma postura de subserviência, uma submissão e obediência às autoridades de modo acrítico ou cego.
Deus deu ao homem o poder de pensar, questionar e nos capacitou com um dom precioso: o discernimento. Esse nos foi dado para que, em qualquer ocasião, possamos discernir a vontade de Deus, para que possamos entender o que é certo e o que é errado, e para decidir entre o bem e o mal.
Uma boa dica para isto é sempre tomar Jesus como modelo. Nele está encarnada a soberana vontade de Deus. A velha pergunta que precisa ser feita é: Se Jesus estivesse aqui, o que faria? Esta é uma boa forma de colocarmos na balança as autoridades. Não está no padrão de Deus, que seja anátema!
O que estou afirmando é que nem toda autoridade (eclesiástica ou política) foi constituída por Deus. Se não obedecem a Deus também não devo obedecê-las. Ele está acima das autoridades, sejam elas quais forem. O apóstolo Pedro diz em seu discurso (At 4.19): “mais importa obedecer a Deus do que aos homens”.
Vejamos um exemplo prático: Se toda autoridade vem de Deus, como explicar Hitler, que matou milhões de pessoas e crianças inocentes? Teria sido constituído por Deus? Deveríamos ser fatalistas e ficar passivos? O que dizer, ainda, de Mussolini, Nero, Cezar, dos líderes dos antigos países da cortina de ferro, os quais mataram e torturaram homens verdadeiros, fiéis cristãos? Entender que pessoas que perseguiram e mataram inocentes foram colocados por Deus? Desculpe, não dá!
Talvez se pergunte: Qual o critério que devo observar para que possa avaliar uma autoridade? Como devo saber se devo, ou não, obedecer e honrar tais autoridades?
A resposta é simples e direta: Se a autoridade se opõe aos princípios de Deus, que a instituiu, perdeu seu sentido de ser. Toda autoridade deve passar pelo crivo: promove o bem e castiga o mal? Se não pode responder afirmativamente a essas assertivas, essa não é uma autoridade que merece nossa submissão. Fora com ela!
Para não passar a ideia que isto é apenas um pensamento particular, lembro que na Bíblia existem muitos homens de Deus que, sem medo, questionaram autoridades. Mais do que isto, incisivamente, colocaram seus dedos em riste na cara do “pseudo ungido”, demonstrando nenhuma submissão para com seus cargos públicos, sejam elas quais forem: reis, governadores, sacerdotes, etc.
Quando uma autoridade, ainda que constituída legalmente, não corresponde aos princípios morais estabelecidos na Palavra de Deus, pode-se dizer que esta é considerada uma autoridade apócrifa, desviada e anátema. Veja: I Rs 13; I RS 16:1-7; I RS 18:1-19; Jr 22:1-9.
Lembrando ainda que o Novo Testamento registra Jesus chamando Herodes de raposa (Lc 13.32). E o que dizer, ainda, das vezes que chamou as autoridades espirituais de sepulcros caiados ou então quando vemos João Batista confrontando o grande Herodes e denunciando seus pecados (MT 14). Ele sofreu consequências: foi preso e decapitado, perdeu a vida, mas não perdeu a moral.
Autoridades que se afastam de princípios éticos e morais, contidos na Palavra de Deus, não merecem nossa submissão. Mais do que isto, devem ser confrontadas e não confortadas, devem ser repudiadas e não inocentadas.

O Grampo de Lula e Dilma!!!

sábado, 5 de março de 2016



Desejo a todos parentes, amigos e seus familiares um excelente SHAVUA TOV com muita paz, saúde, amor, luz, bênção, pra nossa, harmonia, muitas alegrias, sustento, felicidades e otima semana, Bôa noite,,,
















Porque clamar por justiça?
Nós somos a Igreja de Cristo a qual espera pela volta de seu noivo, porém nosso trabalho não acabou e não estamos apenas esperando o Rei voltar, mas estamos em movimento e precisamos clamar e pedir a Deus por nossa nação e por todos os países. Temos este compromisso de orar e pedir que a Graça de Deus seja derramada em nosso meio e que seja retirada no meio da Igreja toda apostasia ou falta de sensibilidade dos acontecimentos terríveis que estão ao nosso redor.
               

Deputado Carlos Sampaio faz discurso na Câmara Pedindo Renuncia de Dilma


HORRÍVEL JULGAMENTO ESTÁ VINDO AO BRASIL - Profeta Dr. David Owuor


A corrupção é combatida com a espada do espírito
Vos deveis revestir da nova personalidade, que foi criada segundo a vontade de Deus, em verdadeira justiça e lealdade.” — Efésios 4:24.
QUANDO o Império Romano estava no seu apogeu, era a maior administração humana que o mundo havia visto. A legislação romana era tão eficaz, que ainda é a base do código jurídico de muitos países. Apesar das consecuções de Roma, porém, suas legiões não foram capazes de vencer um inimigo traiçoeiro: a corrupção. Por fim, a corrupção acelerou a queda de Roma.
O apóstolo Paulo foi um dos que sofreram sob autoridades romanas corruptas. Félix, o governante romano que o interrogava, pelo visto reconhecia que Paulo era inocente. Mas Félix, um dos mais corruptos governadores do seu tempo, adiou o julgamento de Paulo, esperando que esse lhe desse dinheiro para ser solto. — Atos 24:22-26.
Paulo, em vez de subornar Félix, falou-lhe francamente sobre “a justiça e o autodomínio”. Félix não mudou de proceder, e Paulo continuou na prisão em vez de tentar evitar o processo jurídico por meio dum suborno. Pregava uma mensagem de verdade e de honestidade, e vivia em harmonia com isso. “Confiamos em ter uma consciência honesta”, escreveu aos cristãos judeus, “visto que queremos comportar-nos honestamente em todas as coisas”. — Hebreus 13:18.
Esta atitude estava em nítido contraste com a moral vigente naquela época. Palas, irmão de Félix, era um dos homens mais ricos do mundo antigo, e sua riqueza — calculada em US$45 milhões — fora acumulada quase que totalmente por subornos e extorsões. A fortuna dele, porém, não é nada em comparação com os bilhões de dólares que alguns corruptos governantes do século 20 ocultaram em contas bancárias secretas. É evidente que apenas os mais ingênuos acreditariam que os governos atuais ganharam a guerra contra a corrupção.
Visto que a corrupção já ficou entrincheirada por tanto tempo, será que temos de presumir que ela simplesmente faz parte da natureza humana? Ou pode-se fazer algo para coibir a corrupção?
Como se pode coibir a corrupção?
É óbvio que o primeiro passo para se coibir a corrupção é reconhecer que ela é destrutiva e errada, visto que beneficia os inescrupulosos em prejuízo de outros. Sem dúvida, já se fez algum progresso neste sentido. James Foley, secretário de estado interino nos Estados Unidos, disse: “Todos nós reconhecemos que o custo do suborno é elevado. Os subornos minam a boa governança, prejudicam a eficácia econômica e o desenvolvimento, deturpam o comércio e penalizam os cidadãos em todo o mundo.” Muitos concordariam com ele. Em 17 de dezembro de 1997, 34 dos principais países assinaram um “acordo no tocante aos subornos”, destinado a “ter um grande impacto na luta global contra a corrupção”. O acordo “torna crime oferecer, prometer ou dar suborno a um funcionário público estrangeiro para conseguir ou manter negócios internacionais”.
Os subornos para se conseguir contratos comerciais em outros países, porém, são apenas a ponta do iceberg da corrupção. A eliminação da corrupção abrangente exige um segundo passo, muito mais difícil: a mudança de coração ou, antes, a mudança de muitos corações. Pessoas em toda a parte precisam aprender a odiar o suborno e a corrupção. Só assim o suborno deixará de existir. Para conseguir isso, a revista Newsweek disse que alguns acham que os governos deveriam “incentivar o senso geral de virtude cívica”. Transparência Internacional, um grupo de movimento anticorrupção, também recomenda que seus apoiadores “injetem uma ‘semente de integridade’” no local de trabalho.
A luta contra a corrupção é moral, e não pode ser vencida apenas por meio de legislação ou pela “espada” de penalidades jurídicas. (Romanos 13:4, 5) É preciso semear no coração das pessoas sementes de virtude e de integridade. Consegue-se isso melhor pelo uso do que o apóstolo Paulo descreveu como “a espada do espírito”, a Palavra de Deus, a Bíblia. — Efésios 6:17.
A Bíblia condena a corrupção
Por que se negou Paulo a tolerar a corrupção? Porque queria fazer a vontade de Deus, “que não trata a ninguém com parcialidade, nem aceita suborno”. (Deuteronômio 10:17) Além disso, Paulo, sem dúvida, se lembrava das instruções específicas encontradas na Lei de Moisés: “Não deves ser parcial nem aceitar suborno, pois o suborno cega os olhos dos sábios e deturpa as palavras dos justos.” (Deuteronômio 16:19) O Rei Davi também entendeu que Jeová odeia a corrupção, e pediu que Deus não o considerasse como um dos pecadores, “cuja direita está cheia de suborno”. — Salmo 26:10.
Aqueles que sinceramente adoram a Deus têm motivos adicionais para rejeitar a corrupção. “Pela justiça o rei estabelece a terra”, escreveu Salomão, “mas o amigo de subornos a transtorna”. (Provérbios 29:4Almeida, Edição Contemporânea) A justiça — especialmente quando praticada desde as autoridades de alto escalão para baixo — produz estabilidade, ao passo que a corrupção empobrece o país. É interessante que Newsweek salienta: “Num sistema em que todos querem sua parcela da corrupção e sabem como consegui-la, a economia pode simplesmente implodir.”
Mesmo que a economia não entre em colapso total, os que amam a justiça sentem-sefrustrados quando a corrupção floresce sem controle. (Salmo 73:3, 13) Nosso Criador, aquele que nos deu o inerente desejo de justiça, também é ofendido. No passado, Jeová interveio para eliminar completamente a corrupção flagrante. Por exemplo, ele disse claramente aos habitantes de Jerusalém por que os abandonaria aos inimigos deles.
Deus disse por meio do seu profeta Miquéias: “Por favor, ouvi isto, vós cabeças da casa de Jacó e vós comandantes da casa de Israel, os que detestais a justiça e que perverteis mesmo tudo o que é direito. Seus próprios cabeças julgam apenas por suborno e seus próprios sacerdotes instruem somente por um preço, e seus próprios profetas praticam a adivinhação meramente por dinheiro. . . . Portanto, por vossa causa Sião será arada como mero campo e a própria Jerusalém se tornará meros montões de ruínas.” A corrupção havia devastado a sociedade em Israel, assim como corroeu Roma, séculos depois. Fiel ao aviso de Deus, cerca de um século depois de Miquéias ter escrito essas palavras, Jerusalém foi destruída e abandonada. — Miquéias 3:9, 11, 12.
Nenhum homem ou nenhuma nação, porém, precisa ser corrupto. Deus exorta os iníquos a abandonarem seu modo de vida e mudarem seu modo de pensar. (Isaías 55:7) Ele quer que cada um de nós substitua a ganância pelo altruísmo e a corrupção pela justiça. “Quem defrauda o de condição humilde tem vituperado Aquele que o fez, mas aquele que mostra favor ao pobre O está glorificando”, Jeová nos lembra. — Provérbios 14:31.
A corrupção é combatida com êxito com a verdade bíblica
O que pode induzir alguém a fazer tal mudança? A mesma força que induziu Paulo a renunciar a uma vida como fariseu para se tornar firme seguidor de Jesus Cristo. “A palavra de Deus é viva e exerce poder”, escreveu ele. (Hebreus 4:12) Hoje em dia, a verdade bíblica ainda promove a honestidade, mesmo entre aqueles que ficaram muito envolvidos na corrupção. Veja um exemplo.
Pouco tempo depois de terminar o serviço militar, Alexander, que é da Europa Oriental, juntou-se a uma gangue que praticava chantagem, extorsão e suborno.*“Minha tarefa era extorquir de comerciantes ricos dinheiro de proteção”, explica ele. “Depois de eu granjear a confiança do comerciante, outros membros da nossa turma o ameaçavam com violência. Eu me oferecia então para cuidar do assunto — por um preço elevado. Meus ‘clientes’ me agradeciam por ajudá-los a cuidar dos seus problemas, quando na realidade eu era a causa deles. Estranho como possa parecer, este era um aspecto do trabalho de que eu gostava.
“Eu gostava também do dinheiro e da emoção que este estilo de vida me dava. Eu tinha um carro caro, morava num belo apartamento e tinha dinheiro para comprar o que quisesse. As pessoas me temiam, o que me dava um senso de poder. De alguma forma achava que ninguém me podia tocar e que eu estava acima da lei. Quaisquer problemas com a polícia podiam ser resolvidos quer por um advogado perito, que tinha um jeito de contornar o sistema judiciário, quer por um suborno dado à pessoa certa.
“Todavia, raras vezes há lealdade entre os que vivem dependentes da corrupção. Um da nossa gangue passou a não gostar de mim e eu perdi o favor do grupo. De repente, perdi meu carro ostentoso, meu dinheiro, minha namorada dispendiosa. Fui até mesmo brutalmente espancado. Este revés me fez pensar seriamente no objetivo da vida.
“Poucos meses antes, minha mãe se tornara Testemunha de Jeová, e eu comecei a ler as publicações delaou minha mãe se tornara uma das Testemunhas de Jeová. O texto em Provérbios 4:14, 15, me fez pensar seriamente: ‘Não entres na vereda dos iníquos e não te encaminhes diretamente para o caminho dos maus. Evita-o, não passes por ele; aparta-te dele e passa adiante.’ Textos assim me convenceram de que os que querem levar uma vida de crime não têm mesmo futuro. Comecei a orar a Jeová e a pedir-lhe que me guiasse no caminho certo. Estudei a Bíblia com as Testemunhas de Jeová e por fim dediquei minha vida a Deus. Desde então levo uma vida honesta.
“Naturalmente, levar uma vida honesta tem significado ganhar muito menos dinheiro. Mas agora acho que tenho um futuro, que minha vida tem verdadeiro sentido. Reconheço que meu anterior estilo de vida, com todos os seus apetrechos caros, era como um castelo de cartas, pronto para cair a qualquer momento. Antes, minha consciência era insensível. Agora, graças ao meu estudo da Bíblia, ela me cutuca sempre que fico tentado a ser desonesto — mesmo em assuntos pequenos. Procuro viver em harmonia com o Salmo 37:3, que diz: ‘Confia em Jeová e faze o bem; reside na terra e age com fidelidade.’”
O que odeia o suborno viverá”
Conforme Alexander descobriu, a verdade bíblica pode levar a pessoa a vencer a corrupção. Ele fez mudanças em harmonia com o que o apóstolo Paulo diz na sua carta aos Efésios: “Deveis pôr de lado a velha personalidade que se conforma ao vosso procedimento anterior e que está sendo corrompida segundo os seus desejos enganosos; . . . deveis ser feitos novos na força que ativa a vossa mente, e que vos deveis revestir da nova personalidade, que foi criada segundo a vontade de Deus, em verdadeira justiça e lealdade. Sendo que agora pusestes de lado a falsidade, falai a verdade, cada um de vós com o seu próximo, porque somos membros que se pertencem uns aos outros. O gatuno não furte mais, antes, porém, trabalhe arduamente, fazendo com as mãos bom trabalho, a fim de que tenha algo para distribuir a alguém em necessidade.” (Efésios 4:22-25, 28) O próprio futuro da humanidade depende de tais transformações.
A ganância e a corrupção sem controle podem arruinar a Terra, assim como contribuíram para a ruína do Império Romano. Felizmente, porém, o Criador da humanidade não planeja deixar tais assuntos entregues ao acaso. Ele determinou “arruinar os que arruínam a terra”. (Revelação [Apocalipse] 11:18) E Jeová promete aos que anseiam um mundo sem corrupção que em breve haverá “novos céus e uma nova terra . . . e nestes há de morar a justiça”. — 2 Pedro 3:13.
É verdade que talvez não seja fácil viver hoje segundo normas honestas. No entanto, Jeová nos assegura que, afinal de contas, “o que se dá à cobiça perturba a sua própria casa, mas o que odeia o suborno viverá”.* (Provérbios 15:27Al) Por repudiarmos agora a corrupção, mostramos nossa sinceridade ao orar a Deus: “Venha o teu reino. Realize-se a tua vontade, como no céu, assim também na terra.” — Mateus 6:10.
Enquanto esperamos que o Reino aja, cada um de nós pode ‘semear em justiça’ por se negar a tolerar ou a praticar a corrupção. (Oséias 10:12) Se fizermos isso, nossa vida atestará o poder da Palavra inspirada de Deus. A espada do espírito pode vencer a corrupção.
[Nota(s) de rodapé]
Seu nome foi mudado.
Naturalmente, há diferença entre suborno e gorjeta. Ao passo que o suborno é dado para perverter a justiça ou por outros objetivos desonestos, a gorjeta é uma expressão de apreço por serviços prestados. Isto foi explicado em “Perguntas dos Leitores” em A Sentinela de 1.° de outubro de 1986.
[Foto na página 7]
Com a ajuda da Bíblia podemos cultivar a “nova personalidade” e evitar a corrupção