Visitantes

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Sala Vip: A Degradação da familia brasileira

Sala Vip: A Degradação da familia brasileira: Ultimamente na cidade de Chapadinha tem acontecido muitas coisas que tem me deixado bastante triste, e umas delas e como a familia está send...

JERUSALÉM – BAIRRO MUÇULMANO

DICAS DE VIAGENSISRAELJERUSALÉM
O bairro Muçulmano de Jerusalém é o mais “vivo” e movimentado de todos, e o motivo é bem simples: o super movimentado mercado Arabe, ou Souq.

Uma das ruas do bairro Muçulmano visto desde o bairro Armênio

Outra das muitas ruas interligadas do bairro
Na verdade não existe uma area apenas para o mercado, e por todas as partes para onde as ruas se espalham, lá estão as lojinhas, vendendo toda sorte de quinquilharias, e principalmente toda e qualquer coisa religiosa. Quer um crucifixo? O Arabe tem (com preço melhor que o tio da lojinha Cristã). Quer uma Menorah? O Arabe também tem.
 Mas o melhor do bairro Arabe de Jerusalém é que ao contrario dos muitos outros marcados arabes que já fui no mundo, eles te deixam em paz!
Voce pode andar a vontade, olhar as coisas expostas, mexer, tirar fotos e ninguem fica te enchendo o saco pra comprar isso ou aqui, meu preço é melhor, qual seu preço, quem dá mais, etc, etc, que são tão tipicos em Souqs, e que para muita gente estraga a experiência.
Mas as atrações principais do mercado são as frutas secas e nozes, temperos e ervas, incensos, tapetes, porcelanas, pratas e joias, muitas joias (daqueles mega douradas com pedras colorias e bem espalhafatosas!)
Uma das areas mais animadas do mercado/barro Arabe estão na vizinhança do Portão de Damascus, e onde o mercado fica com menos cara de turismo e com mais cara de feira local, onde a comunidade Muçulmana faz suas compras.
 E é aqui também que como em qualquer outra area Muçulmana do mundo é bom estar bem coberta, nada de muita perna, ombros e peles em geral apareçendo – quanto mais perto do Portão mais “autentica” a area vai ficando e volta e meia voce acaba ouvindo umas barbaridades.
Mas cruze o portão e suba nas Ramparts, que são as areas “andaveis” do muro que cerca a cidade e teem uma vista incrivel da dinamica da cidade antiga.
A principal atração do bairro Muçulmano é sem sombra de duvidas o Domo da Rocha, que é o santuario dourado com pinta de Mesquita.
Mas é também o Domo da Rocha que é  (uma das) fontes de tensão em todo Oriente Medio. Porque? Se voces repararem bem, o Domo da Rocha esta construido bem em cima do “Monte do Templo”, a plataforma construida pelo Rei Salomão para abrigar o principal Templo Judeu do mundo – que foi construido e reconstruido duas vezes, e hoje em dia sobrou apenas o Muro das Lamentações.
O Domo da Rocha é super impressionante e totalmente domina a paisagem da cidade. É praticamente impossivel não tirar centenas (literalmente, no nosso caso) de fotos dos diferentes angulos do templo, e querer captar todos os detalhes.
A cupula, que um dia já foi coberta de ouro 18K de verdade, alem de dourada e reluzente, ainda é totalmente decorada por azuleijos pintados a mão (!) por artesãos Armênios, com flores tipicas da região e caligrafica Arabe contando historias do Alcorão e a história doque se passou ali.
Turistas não Muçulmanos são bem vindos em cima do Monte, pero no mucho, e existem um zilhão de regrinhas que na verdade de impedem de chegar lá em cima.
Toda area, apesar de Arabe-Muçulmana, é governada pelo governo Israelita, e policiada pelo Exercito Israeli, e portanto, por pura intriga da oposição, eles nao querem que os turistas cheguem lá em cima.
São pequenas coisas do tipo: o horario de abertura é super restrito, apenas de 2ª a 5ª feira, e apenas entre 13:30 e 15:00 da tarde. Não existe uma unica placa avisando onde é a entrada, ninguem pra dar informaçoes, e o pior de tudo, o lugar onde a fila se forma nao tem uma unica sombrinha nem lugar pra sentar!
Então não foi a toa que só conseguimos achar o tal lugar quando fizemos um passeio guiado, e todas as pessoas esperando na fila (e sofrendo embaixo do sol) eram tambem de grupos com guias.
E pra completar, ainda tem uma placa enorme bem na entrada, com uma mesangem do Rabino “chefe” de Jerusalém lembrando a todos os Judeus que as leis ro Torah proibem a entrada de Judeus ao espaço do Monte do Templo!
Mas chegando lá em cima é até dificil de acreditar que ainda estamos na mesma cidade, pais ou planeta! Depois de passar por toda segurança, detector de metais e afins, subimos uma rampa de madeira e passamos por um portão que te leva ao “Central Park” do Oriente Medio.
Chega a ser dificil de acreditar que o lugar que gerou (gera) grande parte dos principals conflitos da região é tambem um lugar tão tranquilo e pacifico. Velinhos sentados na sombra, familias fazendo pic nic na sombra das arvores, crianças jogando futebol…
(Mas ai voce olha pro lado e ve um Israelita armado até os dentes!)

Garantindo a "paz" local
Não-Muçulmanos não são permitidos dentro do Domo da Rocha e da Mesquita, mas diz o nosso guia que na verdade eles não verificam nada – em Israel é tudo na base do “racial profiling” (Racismo, em bom Portugues) e te tratam bem ou mal dependendo se eles acham que voce tem cara de Judeu, Arabe ou Cristão. Diz a lenda que turistas com cara de Arabe conseguem entrar sem o menor problema!

O guia fez questão de nos lembrar várias vezes não é permitido tirar fotos se abraçando
A historia do “Monte do Templo” é super complexa, mas bastante interessante. Originalmente a “plataforma” foi construida para sediar o principal templo Judeu, e depois o segundo templo Judeu, que foi destruido pelos Romanos em 70 d.c. Uma vez que templo já estava destruida, a area livre e os Arabes (Otomanos) governando a região, eles então resolveram construir seus templos no mesmo lugar, segundo a tradição Muçulmana.
Então diz a historia que foi ali que o Profeta Mohammed ascendeu ao paraiso para conversar com Deus, e no processo de ascenção, deixou uma pegada impressa na rocha. E pra completar a santicidade do local, ainda ficaram também impressas a impressão digital das mãos do Arcanjo Gabriel, que foi quem “segurou” a Rocha enquanto Mohammed ascendia.
Então o Domo da Rocha nada mais é que um teto, ou uma estrutura construida para proteger a area e mostrar, com toda opulencia arabe, a importancia do local – assim como os Cristãos fizeram na Igreja do Santo Sepulcro.
E pra completar, lá de cima temos a vista privilegiada do Monte das Oliveiras! (que vai ficar pra outro post!)

quarta-feira, 14 de junho de 2017

sábado, 10 de junho de 2017

Tema do DIP 2017
Os cristãos da África enfrentam uma das piores perseguições de sua história. Principalmente em alguns países da África Subsaariana: Eritreia, Etiópia, Mali, Níger, Nigéria, Quênia, República Centro-Africana, Somália, Sudão e Tanzânia.
Neste DIP, juntos faremos mais pelos nossos irmãos dessa região.
O continente africano tem enfrentado levantes violentos contra cristãos nos últimos anos. A militância islâmica radical na África é parte de uma corrente ideológica global. A longo dos últimos anos, grupos inspirados no Estado Islâmico (EI) invadiram várias vilas e aldeias de cristãos que foram hostilizados, mas não negaram sua fé. Esses grupos radicais sustentam a mesma ideologia e prática do EI e, em sua maioria, já declararam fidelidade ao Estado Islâmico.
Uma das prioridades da Portas Abertas é preparar a igreja africana para a onda de perseguição extremista que está por vir. O Oriente Médio não é o único lugar hostilizado por extremistas. Homens e mulheres são convertidos à força ao islã, comunidades inteiras são desalojadas e igrejas são destruídas. A pressão sobre os cristãos é muito grande, mas eles permanecem firmes.
“Com isso todos saberão que vocês são meus discípulos,
se vocês se amarem uns aos outros.”
João 13.35
JUNTOS PELA ÁFRICA


   Amanhã é o "Dia do Pastor Evangélico"
10 jun 2017BRASIL
"Lembrem-se dos seus líderes, que lhes falaram a palavra de Deus. Observem bem o resultado da vida que tiveram e imitem a sua fé." (Hebreus 13.7)
No Brasil, todo segundo domingo de junho, é o Dia do Pastor Evangélico, ocasião em que muitos cristãos podem abraçar seus líderes no ensinamento da palavra de Deus. O ministério pastoral é, na maioria das vezes, uma constante renúncia por amor a Cristo. Em países onde há perseguição religiosa, no entanto, existem muitos pastores anônimos e secretos, mas que, com certeza, gostariam também de ser abraçados neste dia.
Não podemos estar com eles, mas podemos orar e interceder por suas vidas. Então, que as nossas orações como família de Cristo possam alcançar a todos aqueles que aceitaram o chamado pastoral e trabalham com amor pelo resgate de muitos que estavam se perdendo e que ainda não tinham ouvido falar sobre a salvação. Aproveite a ocasião para abraçar o seu pastor, ore pelos líderes cristãos que são perseguidos, torturados e que estão presos por se recusarem a negar Jesus.
Ore por eles que suportam tudo para ver famílias restauradas, lares refeitos e pessoas transformadas. Também em memória daqueles que perderam suas vidas trabalhando como pastores, Mathayo Kachila, da Tanzânia, Han Choong Yeol, da China, Irianto Kongkoli, da Indonésia, Jean Mbefara e Emmanuel Ngaissona, da República Centro-Africana, David Usman, da Nigéria, Alfredo Orozco, da Colômbia, entre muitos outros que fazem falta tanto para suas famílias quanto para as igrejas onde desempenharam importantes trabalhos. A Portas Abertas parabeniza a todos os pastores brasileiros pelo empenho e renúncia diários.
"Quem segue a justiça e a lealdade encontra vida, justiça e honra." (Provérbios 21.21)

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017


“Do Egito chamei meu filho” (Mt 2:15) O que Mateus quis dizer ao citar essa passagem do profeta?
“Do Egito chamei meu filho” (Mt 2:15)
Essa passagem dos escritos dos apóstolos é sem dúvida, uma das mais difíceis de entender. Enquanto algumas pessoas mais cômodas dizem simplesmente que essa citação do profeta foi introduzida por Roma, porém sem prova alguma, outras dizem que Mateus que “forçou a barra” para introduzir Yeshua no contexto dos profetas, já outras, que dizem é tudo uma farsa e fica por isso mesmo. Porém isso é muito estranho, pois imaginem Roma pegando qualquer parte das escrituras hebraicas para colocar no evangelho de Mateus, para provar que ‘Jesus’ é o Messias, e iriam pegar logo uma passagem em que se diz no verso posterior que Israel sacrificava à baalins? Fica claro que aqui Mateus quis mostrar outra visão, outro entendimento que fica difícil para nós entendermos o que ele quis passar ao colocar essa passagem de Oséias nesse contexto.
Em Óséias 11:1-2 diz o seguinte: “Quando Israel era ainda uma criança, Eu o amava, e ao salvá-lo, do Egito chamei meu filho. Mas quanto mais os chamavam, mais se afastavam deles; sacrificavam aos Baalins e queimavam incenso dedicado a ídolos.”
A pergunta que muitos fazem a respeito desse texto, sendo parte dele repetida por Mateus : “...onde ficou até a morte de Herodes. E assim se cumpriu o que o Senhor tinha dito pelo profeta: "Do Egito chamei o meu filho”. (Mt 2:15 – NVI) É: -Ué, Yeshua sacrificava aos baalins? (O Eterno nos livra de dizer tal coisa). Assim a citação de Mateus de parte do verso um do capítulo onze de Oséias, nos parece ser incoerente. Então, o que Mateus quis dizer ao fazer tal citação?
Vejamos, em ambos os textos, da Peshita aramaica e no Grego em (Mt 2:15) são usadas as palavras (“d'net’male” no aramaico, e “pleroo” no grego) que significam: “tornar-se pleno, completar, cumprir, preencher, encher algo em um sentido absoluto...” Em Mt 2:15, comumente traduz-se como “cumprir”: “...E assim se “cumpriu” o que o Senhor tinha dito pelo profeta...” Porém vemos textos, tanto no grego quanto no aramaico, em que as palavras das respectivas línguas (“d'net’male” no aramaico, e “pleroo” no grego) tem o sentido de "completar" também, assim como em seus significados: “Estas coisas vos tenho falado a vós, para que a minha alegria esteja em vós, e a vossa alegria seja completa (obs: completa - “d'net’male” no aramaico, e “pleroo” no grego).” (Jo 15:11)
Então, e se ao invés de entendermos Mateus 2:15 no sentido comum como “cumprir”, entendermos da seguinte maneira: “...onde ficou até a morte de Herodes. E assim se tornou pleno o que o Senhor tinha dito pelo profeta: "Do Egito chamei o meu filho.” E no que o entendimento da palavra “tornou pleno” muda em nossa visão? Muda muito, pois se vermos como “E assim se cumpriu...” significa que Mateus estava se referindo à passagem de Oséias como uma profecia, e que Yeshua cumpriu essa profecia, e isso não é verdade! Mas se Mateus ao escrever quis dizer: “E assim se tornou pleno...” Mateus poderia estar com outro entendimento em sua cabeça, e não o de um cumprimento profético.
Portanto, Mateus como um entendimento simbólico (muito comum em midrashim), se referiu à “do Egito chamei meu filho” como sendo uma referência indireta do Messias Yeshua. E como ficaria a questão do contexto, de que Israel não ouvia os profetas e iam sacrificar aos baalins? Ao citar essa passagem, Mateus logicamente sabia de seu contexto, então ao dizer: “E assim se tornou pleno”, ou “E assim foi aperfeiçoado” o que o Eterno tinha dito pelo profeta: “Do Egito chamei Meu filho”. Por que “E assim foi aperfeiçoado”? Porque quando algo se torna pleno, certamente é aperfeiçoado.
Então Mateus quis dizer que em Yeshua, aquilo que o Eterno falou por meio de seu profeta foi aperfeiçoado, completo! Pois quando Eloha chamou, seu filho Israel do Egito, Israel foi e se desviou, sacrificou aos baalins, porém, quando o Eterno chamou seu filho Yeshua o Messias, Yeshua O obedeceu e foi fiel, e continua fiel. Então, foi completo (aperfeiçoado) o que fora dito pelo Senhor através do profeta; através de Yeshua tornou-se pleno.
Postado por Alan Resende de Oliveira às 19:17


QUEM ME LIVRARÁ DO CORPO DESTA MORTE?”

Escrevendo aos crentes de cidade de Roma., disse Paulo, entre outras coisas, esta: “Miserável homem que eu sou! Quem me livrará do corpo desta morte? Rom. 7:24.

No tempo em que Paulo escreveu a carta aos romanos, havia um costume triste entre as autoridades de Roma, Os criminosos eram condenados à morte de uma maneira muito esquisita e cruel. Lavrada a sentença, eram amarrados a um corpo morto, e ali ficavam presos até que viessem a falecer, vítimas das horríveis inalações do horrível odor do cadáver.

É bem possível que Paulo no texto acima citado, esteja-se referindo a este tremendo castigo existente entre os antigos romanos, e que não era de todo desconhecido de Paulo.
O pecado é na realidade um peso nauseabundo intolerável e mortífero. “É…cheiro de morte para morte…” 2ª Cor. 2:16.

País em foco do culto de missões do mês de fevereiro em todas congregações do setor 46" Embu guaçu SP.Egito"sub tema.Do Egito chamei meu filho. Não perca...


segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

De acordo com o Judaísmo rabínico, um judeu ou é aquele cuja mãe é judia, ou alguém que se converteu formalmente ao Judaísmo.
Levítico 24:10 é citado


Sara Brito adicionou uma nova foto ao álbum: Estudo Historico.
Relações entre cristãos e judeus:
A queima do Talmude
Apesar da massa de restrições impostas sobre os judeus pela Igreja nas esferas políticas, sociais e económicas, e os ataques contra a Lei Oral por teólogos cristãos, a campanha para banir a literatura judaica não foi lançado até o 13 º século.
fundo
Uma tentativa foi feita para evitar o ensino da "segunda tradição" (δευτέρωσις) pelo imperador Justiniano em 553 (novela 146), e em 712 os visigodos na Espanha proibiram convertidos ao cristianismo para ler livros hebraicos. A primeira condenação do Talmud à queima foi precedida por um período em que as novas forças do racionalismo fizeram sua aparição na Europa Ocidental, bem como um aumento de movimentos sectários como o Cathari ou Albigenses. Tais tendências foram combatidas com fortes medidas da Igreja. Em 1199 o Papa Inocêncio III declarou que, desde a Escritura continha lições muito profundas para o leigo entender, os cristãos devem confiar totalmente no clero para a sua interpretação. A Igreja também dirigiu sua atenção para os judeus como possíveis elementos subversivos. Um resultado da supressão de tendências racionalistas foi a queima de Maimonides ' Guia dos Perplexos em Montpellier, sul da França, em 1233. O Guia foi originalmente denunciou aos inquisidores dominicanos por líderes judeus que se opunham ao estudo de Maimônides obras. Embora a ligação entre a queima da Guia ea posterior queima do Talmude é tênue, é um precedente perigoso.
Paris
Em 1236 um apóstata judeu Nicholas Donin, apresentou um memorando ao Papa Gregório IX listando 35 acusações contra o Talmud. Estes incluíam alegações de que continham blasfêmias de Jesus e Maria, ataques contra a Igreja, declarações hostis a não-judeus e contos insensatos e revoltantes. Afirmaram que os judeus haviam elevado a Lei Oral ao nível da Escritura divinamente inspirada, e isso impediu a possibilidade de sua conversão ao cristianismo. Gregório ordenou então uma investigação preliminar, e em 1239 enviou uma carta circular aos eclesiásticos na França resumindo as acusações e ordenando a confiscação de livros judaicos no primeiro sábado de Quaresma (isto é, 3 de março de 1240), enquanto os judeus estavam reunidos na sinagoga . Quaisquer outras pessoas que tivessem livros hebraicos na sua posse que se recusassem a abandoná-los seriam excomungados. Ele ordenou ainda aos chefes das Ordens Dominicana e Franciscana em Paris que assegurasse que "aqueles livros nos quais você encontrar erros desse tipo, você fará queimar na fogueira". Instruções semelhantes foram transmitidas aos reis da França, Inglaterra, Espanha e Portugal. Foi em resposta à circular de Gregory que a primeira disputa religiosa pública entre judeus e cristãos foi encenada em Paris, de 25 a 27 de junho de 1240. O principal porta-voz judeu foi R. Jehiel, de Paris, o mais eminente rabino francês da época. Um comitê inquisitorial condenou o Talmud dois anos depois. Em junho de 1242, 24 cargas de vagões de livros totalizando milhares de volumes foram entregues ao carrasco para a queima pública. Cópias também podem ter sido apreendidas e destruídas em Roma.
Subseqüentemente a queima do Talmud foi repetidamente instada pelos papas. Na França, Louis IX ordenou novos confiscos em 1247 e 1248 e defendeu o princípio de uma portaria, de Dezembro de 1254. Foi confirmado por Filipe III em 1284 e Filipe IV , em 1290 e 1299. Um outro queima foi encomendado em Toulouse em 1319 pela Inquisidor Bernard Gui e em Perpignan. No seu manual para inquisidores Gui também destacou as obras de Rashi, David Kimḥi e Maimonides para condenação. A conflagração em Paris foi comparada pelo estudioso contemporâneo Meir b. Baruch de Rothenberg à destruição do Templo em uma elegia Sha'ali Serufah ( "Pergunte é assim, ó tu consumida no fogo") incluída no kinah da Nona de Av. Jonah Gerondi, que havia liderado os anti-Maimonists, disse ter ligado a queima do Talmude, com a queima da Guia em Montpellier e de ter se arrependeu amargamente seus ataques à Maimonides.
Fora de França, pouca ação foi tomada em resposta aos apelos papais. Confiscos podem ter ocorrido na Inglaterra e foram ordenados na Sicília. Não parece ter sido a destruição generalizada no sul da Itália em 1270. Após a disputa de Barcelona, em 1263, James I de Aragão ordenou os judeus para eliminar todas as referências blasfemas para Jesus e Maria de suas cópias do Talmud sob pena de queimar o trabalho. Condenações do Talmud foram emitidos pelos papas Inocêncio IV em sua bula de 1244, Alexander IV , John XXII em 1320, e Alexander V em 1409. A legislação restritiva imposta aos judeus aragonês após a disputa de Tortosa, 1413-1414, continha uma condenação Do Talmud. Papa Eugenius IV emitiu um touro que proíbe judeus de estudar o Talmud após o Conselho de Basileia (ver Concílios da Igreja), 1431-1443.
Embora as ordens dos papas não fossem efetivamente defendidas pelas autoridades seculares, a cópia do Talmud e seu estudo não poderia ser realizada abertamente e avançou com dificuldade. Contudo, no novo espírito de liberdade gerado pela Renascença, o grande humanista alemão Johann Reuchlin defendeu a aprendizagem judaica eo Talmud, que foi novamente condenado à destruição pelo imperador em 1509 por causa das acusações feitas contra ele pelo apóstata Johann Pfefferkorn. A polêmica batalha que se seguiu entre partidários dos humanistas e os obscurantistas envolveu estudiosos cristãos líderes, e foi um prelúdio para a Reforma.
Roma
Foi durante a Contra-Reforma na Itália em meados do 16 th século, que os ataques ao Talmud teve as consequências de maior alcance. No clima reacionário, uma briga estourou entre impressoras cristãs rivais de livros hebraicos em Veneza. Um deles, com a conivência de certos apóstatas, denunciou as obras produzidas por seu concorrente como contendo matéria ofensiva à Santa Igreja Católica. Ele se tornou um ataque atacado à literatura hebraica. Depois que um conselho dos cardeais examinou a matéria, o papa emitiu um decreto (agosto 1553) que designa o Talmud e as obras relacionadas como blasphemous e que os condena para ser queimado. Em 9 de setembro de 1553, o Ano Novo judaico, uma enorme pira foi montada no Campo de 'Fiori em Roma de livros hebraicos que haviam sido apreendidos em casas judaicas. Posteriormente, a Inquisição ordenou a todos os governantes, bispos e inquisidores em toda a Itália para tomar medidas semelhantes. As ordens foram obedecidas nos Estados Pontifícios, particularmente em Bolonha e Ravenna, e em Ferrara, Mântua, Urbino, Florença e Veneza, o centro da impressão hebraica, e também em 1559 em Cremona. As representações dos rabinos ganharam um alívio da destruição indiscriminada. Um boi papal emitido em 29 de maio de 1554, especificou que enquanto o Talmud e obras contendo blasfêmias do cristianismo deveriam ser Queimadas, outras obras judaicas deveriam ser submetidas à censura. O Talmud foi incluído no primeiro Índice Expurgatorius em 1559. A proibição contra a publicação do Talmud, com certas excisões ou sem eles, sob um nome diferente, foi levantado temporariamente (1564) pelo Papa Pio IV . No entanto, o confisco do hebraico obras continuaram na Itália, especialmente em Estados Pontifícios, até o 18 º século. O mesmo ocorreu em Avignon e nas possessões papais na França. Interdições renovadas foram emitidos pelos papas Gregory XIII (1572-1585) e Clemente VIII (1593). A queima em Roma foi comemorado por um dia de jejum público anual observada na véspera do sábado do ḥukkat ( Shibbolei ha-Leket 263).
Os eventos em Itália foram descritos pelo cronista contemporâneo Joseph ha-Kohen em Emek ha-Bakhah e por uma série de outros escritores. Matatias Delacrut, que conseguiu escapar com seus próprios livros para Brest-Litovsk, relata que em Veneza mais de 1.000 cópias completas do Talmud, 500 cópias do código de Isaac Alfasi, e inúmeras outras obras foram queimadas. Judá b. Samuel Lerma perdeu todas as cópias de seu recém-impresso Leẖem Yehudah em Veneza e teve que reescrevê-lo da memória. A queima também despertou protestos nos círculos cristãos. O hebraista Andrea Masio manifestou abertamente seu ressentimento pela decisão do papa, dizendo que o relatório dos cardeais condenando uma literatura de que nada sabiam era tão sem valor quanto a opinião de um cego sobre a cor. A proscrição do Talmud no centro principal para a impressão hebraica foi sentida por toda a diáspora. Os centros judaicos na Polônia e na Turquia responderam prontamente ao desafio, e a impressão do Talmud começou em Lublin em 1559 e pouco depois em Salônica. Estudiosos em Itália, posteriormente, virou-se para outros ramos do saber judaica, e no estudo da Cabala, em particular, se espalhou rapidamente na Itália após o Talmud tinha sido condenado.
O último auto-de-fé do Talmud teve lugar na Polónia, em Kamenets-Podolski no outono de 1757, na sequência da propagação do movimento Frankist em Podolia. O bispo Nicholas Dembowski interveio na controvérsia entre os Frankistas e líderes judeus e ordenou uma disputa entre eles. Posteriormente, condenou todas as cópias do Talmude encontradas em sua diocese para serem apreendidas e queimadas depois de terem sido arrastadas pelas ruas em zombaria. Uma busca foi feita com a ajuda do clero, da polícia e dos Frankistas para o Talmud e outros escritos rabínicos. Quase mil cópias do Talmud foram jogadas em um fosso em Kamenets e queimadas pelo carrasco.
Fontes: Enciclopédia Judaica . © 2008 The Gale Group. Todos os direitos reservados.
Loeb, in: REJ , 1 (1880), 247-61; 2 (1881), 248-70; 3 (1881), 39-57; JD Eisenstein (ed.), Ozar Vikkuḥim (1928), 81-86; (Ed.) AM Habermann, Sefer Gezerot Ashkenaz ve-Ẓarefat (1945), 183-5, 263-4; Roth, Itália, 289-94; RN Rabbinovicz, Ma'amar al Hadpasat ha-Talmud , ed. Por AM Habermann