Visitantes

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Sala Vip: A Degradação da familia brasileira

Sala Vip: A Degradação da familia brasileira: Ultimamente na cidade de Chapadinha tem acontecido muitas coisas que tem me deixado bastante triste, e umas delas e como a familia está send...

JERUSALÉM – BAIRRO MUÇULMANO

DICAS DE VIAGENSISRAELJERUSALÉM
O bairro Muçulmano de Jerusalém é o mais “vivo” e movimentado de todos, e o motivo é bem simples: o super movimentado mercado Arabe, ou Souq.

Uma das ruas do bairro Muçulmano visto desde o bairro Armênio

Outra das muitas ruas interligadas do bairro
Na verdade não existe uma area apenas para o mercado, e por todas as partes para onde as ruas se espalham, lá estão as lojinhas, vendendo toda sorte de quinquilharias, e principalmente toda e qualquer coisa religiosa. Quer um crucifixo? O Arabe tem (com preço melhor que o tio da lojinha Cristã). Quer uma Menorah? O Arabe também tem.
 Mas o melhor do bairro Arabe de Jerusalém é que ao contrario dos muitos outros marcados arabes que já fui no mundo, eles te deixam em paz!
Voce pode andar a vontade, olhar as coisas expostas, mexer, tirar fotos e ninguem fica te enchendo o saco pra comprar isso ou aqui, meu preço é melhor, qual seu preço, quem dá mais, etc, etc, que são tão tipicos em Souqs, e que para muita gente estraga a experiência.
Mas as atrações principais do mercado são as frutas secas e nozes, temperos e ervas, incensos, tapetes, porcelanas, pratas e joias, muitas joias (daqueles mega douradas com pedras colorias e bem espalhafatosas!)
Uma das areas mais animadas do mercado/barro Arabe estão na vizinhança do Portão de Damascus, e onde o mercado fica com menos cara de turismo e com mais cara de feira local, onde a comunidade Muçulmana faz suas compras.
 E é aqui também que como em qualquer outra area Muçulmana do mundo é bom estar bem coberta, nada de muita perna, ombros e peles em geral apareçendo – quanto mais perto do Portão mais “autentica” a area vai ficando e volta e meia voce acaba ouvindo umas barbaridades.
Mas cruze o portão e suba nas Ramparts, que são as areas “andaveis” do muro que cerca a cidade e teem uma vista incrivel da dinamica da cidade antiga.
A principal atração do bairro Muçulmano é sem sombra de duvidas o Domo da Rocha, que é o santuario dourado com pinta de Mesquita.
Mas é também o Domo da Rocha que é  (uma das) fontes de tensão em todo Oriente Medio. Porque? Se voces repararem bem, o Domo da Rocha esta construido bem em cima do “Monte do Templo”, a plataforma construida pelo Rei Salomão para abrigar o principal Templo Judeu do mundo – que foi construido e reconstruido duas vezes, e hoje em dia sobrou apenas o Muro das Lamentações.
O Domo da Rocha é super impressionante e totalmente domina a paisagem da cidade. É praticamente impossivel não tirar centenas (literalmente, no nosso caso) de fotos dos diferentes angulos do templo, e querer captar todos os detalhes.
A cupula, que um dia já foi coberta de ouro 18K de verdade, alem de dourada e reluzente, ainda é totalmente decorada por azuleijos pintados a mão (!) por artesãos Armênios, com flores tipicas da região e caligrafica Arabe contando historias do Alcorão e a história doque se passou ali.
Turistas não Muçulmanos são bem vindos em cima do Monte, pero no mucho, e existem um zilhão de regrinhas que na verdade de impedem de chegar lá em cima.
Toda area, apesar de Arabe-Muçulmana, é governada pelo governo Israelita, e policiada pelo Exercito Israeli, e portanto, por pura intriga da oposição, eles nao querem que os turistas cheguem lá em cima.
São pequenas coisas do tipo: o horario de abertura é super restrito, apenas de 2ª a 5ª feira, e apenas entre 13:30 e 15:00 da tarde. Não existe uma unica placa avisando onde é a entrada, ninguem pra dar informaçoes, e o pior de tudo, o lugar onde a fila se forma nao tem uma unica sombrinha nem lugar pra sentar!
Então não foi a toa que só conseguimos achar o tal lugar quando fizemos um passeio guiado, e todas as pessoas esperando na fila (e sofrendo embaixo do sol) eram tambem de grupos com guias.
E pra completar, ainda tem uma placa enorme bem na entrada, com uma mesangem do Rabino “chefe” de Jerusalém lembrando a todos os Judeus que as leis ro Torah proibem a entrada de Judeus ao espaço do Monte do Templo!
Mas chegando lá em cima é até dificil de acreditar que ainda estamos na mesma cidade, pais ou planeta! Depois de passar por toda segurança, detector de metais e afins, subimos uma rampa de madeira e passamos por um portão que te leva ao “Central Park” do Oriente Medio.
Chega a ser dificil de acreditar que o lugar que gerou (gera) grande parte dos principals conflitos da região é tambem um lugar tão tranquilo e pacifico. Velinhos sentados na sombra, familias fazendo pic nic na sombra das arvores, crianças jogando futebol…
(Mas ai voce olha pro lado e ve um Israelita armado até os dentes!)

Garantindo a "paz" local
Não-Muçulmanos não são permitidos dentro do Domo da Rocha e da Mesquita, mas diz o nosso guia que na verdade eles não verificam nada – em Israel é tudo na base do “racial profiling” (Racismo, em bom Portugues) e te tratam bem ou mal dependendo se eles acham que voce tem cara de Judeu, Arabe ou Cristão. Diz a lenda que turistas com cara de Arabe conseguem entrar sem o menor problema!

O guia fez questão de nos lembrar várias vezes não é permitido tirar fotos se abraçando
A historia do “Monte do Templo” é super complexa, mas bastante interessante. Originalmente a “plataforma” foi construida para sediar o principal templo Judeu, e depois o segundo templo Judeu, que foi destruido pelos Romanos em 70 d.c. Uma vez que templo já estava destruida, a area livre e os Arabes (Otomanos) governando a região, eles então resolveram construir seus templos no mesmo lugar, segundo a tradição Muçulmana.
Então diz a historia que foi ali que o Profeta Mohammed ascendeu ao paraiso para conversar com Deus, e no processo de ascenção, deixou uma pegada impressa na rocha. E pra completar a santicidade do local, ainda ficaram também impressas a impressão digital das mãos do Arcanjo Gabriel, que foi quem “segurou” a Rocha enquanto Mohammed ascendia.
Então o Domo da Rocha nada mais é que um teto, ou uma estrutura construida para proteger a area e mostrar, com toda opulencia arabe, a importancia do local – assim como os Cristãos fizeram na Igreja do Santo Sepulcro.
E pra completar, lá de cima temos a vista privilegiada do Monte das Oliveiras! (que vai ficar pra outro post!)

quarta-feira, 14 de junho de 2017

sábado, 10 de junho de 2017

Tema do DIP 2017
Os cristãos da África enfrentam uma das piores perseguições de sua história. Principalmente em alguns países da África Subsaariana: Eritreia, Etiópia, Mali, Níger, Nigéria, Quênia, República Centro-Africana, Somália, Sudão e Tanzânia.
Neste DIP, juntos faremos mais pelos nossos irmãos dessa região.
O continente africano tem enfrentado levantes violentos contra cristãos nos últimos anos. A militância islâmica radical na África é parte de uma corrente ideológica global. A longo dos últimos anos, grupos inspirados no Estado Islâmico (EI) invadiram várias vilas e aldeias de cristãos que foram hostilizados, mas não negaram sua fé. Esses grupos radicais sustentam a mesma ideologia e prática do EI e, em sua maioria, já declararam fidelidade ao Estado Islâmico.
Uma das prioridades da Portas Abertas é preparar a igreja africana para a onda de perseguição extremista que está por vir. O Oriente Médio não é o único lugar hostilizado por extremistas. Homens e mulheres são convertidos à força ao islã, comunidades inteiras são desalojadas e igrejas são destruídas. A pressão sobre os cristãos é muito grande, mas eles permanecem firmes.
“Com isso todos saberão que vocês são meus discípulos,
se vocês se amarem uns aos outros.”
João 13.35
JUNTOS PELA ÁFRICA


   Amanhã é o "Dia do Pastor Evangélico"
10 jun 2017BRASIL
"Lembrem-se dos seus líderes, que lhes falaram a palavra de Deus. Observem bem o resultado da vida que tiveram e imitem a sua fé." (Hebreus 13.7)
No Brasil, todo segundo domingo de junho, é o Dia do Pastor Evangélico, ocasião em que muitos cristãos podem abraçar seus líderes no ensinamento da palavra de Deus. O ministério pastoral é, na maioria das vezes, uma constante renúncia por amor a Cristo. Em países onde há perseguição religiosa, no entanto, existem muitos pastores anônimos e secretos, mas que, com certeza, gostariam também de ser abraçados neste dia.
Não podemos estar com eles, mas podemos orar e interceder por suas vidas. Então, que as nossas orações como família de Cristo possam alcançar a todos aqueles que aceitaram o chamado pastoral e trabalham com amor pelo resgate de muitos que estavam se perdendo e que ainda não tinham ouvido falar sobre a salvação. Aproveite a ocasião para abraçar o seu pastor, ore pelos líderes cristãos que são perseguidos, torturados e que estão presos por se recusarem a negar Jesus.
Ore por eles que suportam tudo para ver famílias restauradas, lares refeitos e pessoas transformadas. Também em memória daqueles que perderam suas vidas trabalhando como pastores, Mathayo Kachila, da Tanzânia, Han Choong Yeol, da China, Irianto Kongkoli, da Indonésia, Jean Mbefara e Emmanuel Ngaissona, da República Centro-Africana, David Usman, da Nigéria, Alfredo Orozco, da Colômbia, entre muitos outros que fazem falta tanto para suas famílias quanto para as igrejas onde desempenharam importantes trabalhos. A Portas Abertas parabeniza a todos os pastores brasileiros pelo empenho e renúncia diários.
"Quem segue a justiça e a lealdade encontra vida, justiça e honra." (Provérbios 21.21)